sábado, 12 de novembro de 2011

Cultivar o amor


Quando se fala em amor, é usual associar-se a palavra ao sentimento romântico entre um par. Contudo, há muitas formas de amor e neste artigo em especial vamos explorar formas de cultivar o amor interpessoal, no seu conceito mais altruísta. O amor pelo nosso semelhante, sem esperar receber nada em troca.

Sendo o amor essencial para a nossa vida, como seres humanos, todos nós o procuramos de uma forma consciente ou mesmo inconsciente. Na verdade, ansiamos reconhecer esse sentimento em nós próprios e nos outros. Contudo, nem sempre é fácil manter o amor vivo, sobretudo na época atual em que o egoísmo impera. Fomos ensinados a desconfiar do mundo à nossa volta, a quase esperar pela maldade que pode a qualquer momento ser lançada por quem nos rodeia. Construímos barreiras entre nós e os outros. Nós sempre cobertos de razões, os outros sempre agindo de má-fé. Obviamente que através destas lentes de separação, é impossível abrir espaço para o amor.

O que fazer para que as coisas deixem de ser dessa forma? Muita coisa pode certamente ser feita, existindo o desejo sincero de contribuir para uma sociedade mais fraterna. Poderei no entanto, sugerir desde já três linhas de ação:

  • Ser simpático para as pessoas ao seu redor
    Distribuir gentileza e atenção pelos outros é meio caminho andado para cultivar qualidades conducentes ao amor. Comece a demonstrar mais simpatia pelos outros e observe o que acontece. Sorria. É provável que os outros reajam da mesma forma e comecem também a ser mais gentis. Por outro lado, verifique como se sente sendo simpático e amável. Aposto que se sentirá bem melhor consigo próprio.
  • Aproxime-se das pessoas que não gostam de si
    Se aspira a ter algum sucesso, habitue-se à ideia de ter alguns inimigos declarados ou ocultos. Na verdade, seja em que circunstância for, é praticamente impossível agradar a toda a gente. Mais tarde ou mais cedo vai deparar-se com pessoas que não gostam de si. O reflexo mais natural será pagar-se da mesma moeda e começar a desprezar essas pessoas. Mas não estou aqui para lhe mostrar os caminhos mais fáceis. Para fazer a diferença no mundo, é preciso agir de formas mais construtivas.
    Já pensou no desafio implicado em conseguir apreciar essas pessoas? Isso mesmo, não se deixar envolver pelo ódio dos outros e persistir em ser simpático. Perdoar e conseguir demonstrar apreço por essas pessoas requere a magnanimidade de um espírito superior, não lhe parece? É possível que esteja neste momento a dizer que não é capaz de o fazer. O desafio está em tentar.
    Existe alguém nas redondezas que não goste de si? Então, nos próximos dias, tente aproximar-se dessa pessoa. Procure conhecer as suas qualidades e pontos positivos. Em que é que essa pessoa se diferencia? Demonstre apreço. Fale-lhe dessas qualidades e pontos positivos. Comente com os outros essas qualidades.
    Se essa pessoa persistir com hostilidade contra si, é importante que compreenda que o problema não é seu mas sim dessa pessoa. Mesmo que precise afastar-se de novo, a sua consciência estará tranquila e isso será muito mais libertador para si do que permitir-se alimentar ódios.
  • Coloque-se no lugar dos outros
    Existem várias formas de analisar o mundo e a maior parte das vezes cometemos o erro de aceitar somente as nossas próprias perspetivas. Todos temos diferentes personalidades e diferentes histórias de vida. Para compreendermos a forma de agir do nosso semelhante, precisamos colocar-nos por momentos na sua “pele”. É fácil criticar os outros, fazer julgamentos e anunciar que faríamos as coisas de uma forma diferente e melhor. Contudo, não estaremos a ser levianos procedendo assim? Antes de lançar a primeira pedra, tente perceber o que sucedeu para que determinada pessoa tenha agido de alguma forma considerada reprovável. Quais são os antecedentes? Qual o ambiente e passado dessa pessoa? Qual a sua história de vida?

Procure todas as formas de alimentar sentimentos como a compreensão, a tolerância, a bondade e a compaixão. Dessa forma estará a cultivar o amor e a contribuir para um mundo melhor.

**Sinta-se à vontade para partilhar este artigo no seu blog, site ou newsletter. Se o fizer, por favor inclua o nome do autor e um link a este site**


Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-Não a obras Derivadas 2.5 Portugal.

Sem comentários:

Enviar um comentário