sábado, 18 de junho de 2011

A parte mais importante do corpo

A minha mãe costumava perguntar-me qual era a parte mais importante do corpo. À medida que os anos iam passando, eu ia sendo solicitado a responder a esta pergunta.

Quando eu era mais novo, pensava que o som era muito importante para nós como seres humanos, por isso nessa altura respondi: “Os ouvidos, mãezinha.”
Ela disse: “Não é essa a resposta correcta. Mas continua a pensar acerca do assunto e brevemente eu faço-te de novo esta pergunta”.

Alguns anos se passaram até que ela me colocasse a mesma questão. Dessa vez, eu respondi-lhe: “Mãezinha, como a vista é fundamental para qualquer pessoa, de certeza que devem ser os olhos”.

Ela olhou para mim e disse-me: “Estás a aprender depressa mas essa não é a resposta correcta”.
Através do tempo, a minha mãe perguntou-me mais uma vez ou outra qual era a parte mais importante do corpo. De cada vez que eu respondi, ela disse-me: “Cada vez estás a ficar mais esperto, meu filho. Mas essa não é a resposta correcta”.
Então, um dia o meu avô faleceu. Toda a gente ficou abalada. Toda a gente estava a chorar. Até o meu pai chorou. Lembro-me disso especialmente porque foi uma das raras vezes que o vi a chorar. A minha mãe olhou para mim quando chegou a nossa vez de darmos o último adeus ao avô.
Ela perguntou-me: “Já sabes agora qual é a parte mais importante do nosso corpo, meu querido?”
Fiquei chocado por ela me fazer essa pergunta naquele preciso momento. Sempre pensara que aquela pergunta funcionava como uma espécie de jogo entre nós os dois.
Ela percebeu a minha confusão e apressou-se a dizer-me: “Esta pergunta é muito importante. Revela-nos se realmente levamos uma vida com sentido. Para cada resposta que me foste dando ao longo do tempo, fui-te respondendo que estavas errado. Mas hoje é o dia em que precisas de aprender essa lição”.
Ela olhou profundamente para mim e os seus olhos estavam embargados de lágrimas. Então, disse-me: “Meu querido, a parte mais importante do corpo é o teu ombro.”
 Eu perguntei-lhe, surpreendido: “Porquê? Por causa de segurar a cabeça?”
Ela respondeu: “Não. É porque pode segurar a cabeça de um amigo ou de um familiar quando choram. Toda a gente precisa de um ombro para chorar em algum momento da vida. Só desejo que tenhas sempre um ombro amigo para te amparar quando os maus momentos se abaterem na tua vida. E também que o teu ombro esteja sempre disponível para todos aqueles que dele necessitem”.
Nesse momento apercebi-me do valor da solidariedade. E aprendi a valorizar o amor e a amizade.

Adaptado de texto de autor desconhecido

Sem comentários:

Enviar um comentário