sábado, 12 de fevereiro de 2011

Como Perder o Medo de Arriscar

Muitas pessoas queixam-se que não conseguem atingir os seus objectivos. Analisando as razões desse insucesso, verifica-se que este se deve a maior parte das vezes ao medo de arriscar e fracassar. O medo instala-se e acaba por paralisar a tomada das acções necessárias à realização do objectivo. Sabe o que é mais caricato na maior parte das situações? É que esse medo acaba por se revelar completamente infundado e mesmo gerador de bloqueio de oportunidades que poderiam ter contribuído para melhorar as suas condições de vida.


A mente é dotada de mecanismos próprios que visam a nossa defesa e são accionados perante situações em que somos confrontados com o novo ou o desconhecido. Como não possui informação suficiente que lhe forneça confiança e segurança, a mente imediatamente se focaliza em aspectos que podem correr mal. Assim, o medo surge como uma resposta automática que mais tarde ou mais cedo teremos de enfrentar.

Saiba que todos aqueles que são bem-sucedidos têm uma coisa em comum: a capacidade de controlar o medo, de saber ponderar riscos e tomar decisões.

Se se apercebe que recusa frequentemente oportunidades pelo simples facto de temer consequências negativas, faça a si próprio as seguintes perguntas:

  • Quais foram as ocasiões em que aceitei um desafio e me dei mal?
  • Quais foram as situações em que aceitei um desafio e me dei bem?
Pegue numa folha de papel e faça uma lista com as respostas. Tente lembrar-se do maior número possível de situações que lhe tenham acontecido. O mais provável é que acabe por se dar conta que na maior parte das vezes em que optou por arriscar, as coisas correram bem e até teve benefícios.

Não deveria estar constantemente à defesa, temendo tudo o que possa correr mal. O risco faz parte da mudança. Sem risco não se pode usufruir de novas oportunidades. E como se consegue superar o medo e a ansiedade? Comece por tomar consciência dos seus pensamentos e crenças limitadoras. Pensamentos como “E se isto der para o torto? O que pensarão os outros disto?” conduzem a uma espiral de outros pensamentos derrotistas que o levarão a sentir-se encurralado. O resultado poderá traduzir-se em ansiedade, medo e mesmo pânico que o levará à desistência.

Em vez de se focalizar nos possíveis aspectos negativos, pense em todas as coisas boas que poderão advir das novas situações. Procure focalizar-se naquilo que pretende, nas suas mais elevadas aspirações. Pense como gostaria que as coisas se processassem e que passos precisam ser seguidos para alcançar o que pretende. Traga pensamentos de sucesso e realização à sua mente. Imagine como se sentiria se estivesse a viver conforme idealiza. Sinta calmamente todas essas emoções boas.

É importante que faça uso de afirmações positivas. Repita para si próprio diariamente que consegue e vai atingir os seus objectivos. Com a repetição, o seu subconsciente irá acabar por aceitar esses novos pensamentos e ultrapassar as sensações de medo e ansiedade. Assim que se dê conta que a mente se desvia para os pensamentos negativos, não os reprima mas substitua-os de imediato por pensamentos positivos. Tome consciência da importância dos seus objectivos, de como seria a sua vida se os alcançasse.

Comece por desafios pequenos e, à medida que os vai superando, aumente o grau de dificuldade. Lembre-se que a acção pode não trazer sempre felicidade mas não existe felicidade sem acção. Aos poucos irá ganhando a auto-confiança necessária para fazer com que o que anteriormente lhe parecia impossível se torne afinal em realidade.


**Sinta-se à vontade para partilhar este artigo no seu blog, site ou newsletter. Se o fizer, por favor inclua o nome do autor e um link a este site**


Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-Não a obras Derivadas 2.5 Portugal.

Sem comentários:

Enviar um comentário