domingo, 19 de dezembro de 2010

Tango with wolves

Esta semana partilho uma música de Loreena Mckennith, a saber "Tango to Évora", do Álbum "The Visit". Com imagens do National Geographic num bonito video retirado do Youtube, publicado por MereRana. Se gosta de lobos como eu, é certo que ficará embevecido. Mas a música vale a pena por si só.

Bom Domingo!




sábado, 11 de dezembro de 2010

Cada Momento é um Novo Começo


O Momento de Poder é sempre no momento presente. Você nunca está preso.

É aqui que as alterações se processam, precisamente aqui, nas nossas mentes! Não importa há quanto tempo temos um padrão negativo ou uma doença ou um relacionamento insatisfatório ou falta de dinheiro ou desprezo por nós mesmos. Podemos começar a mudar hoje mesmo!

O seu problema já não tem que ser verdade para si. Pode agora desfazer-se na vacuidade de onde veio. Você é capaz de o fazer.

Recorde-se: você é a única pessoa que pensa na sua mente! No seu mundo, você detém o poder e a autoridade!

Foram os seus pensamentos e as suas crenças anteriores que criaram este momento e todos os momentos até este momento. Aquilo que agora escolher acreditar, pensar e dizer criará o momento seguinte, e o dia seguinte, e o mês seguinte, e o ano seguinte.

Sim, você, meu caro! Eu posso dar-lhe os conselhos mais extraordinários que aprendi graças aos meus anos de experiência, mas no entanto você pode continuar a escolher os mesmos velhos pensamentos, pode recusar mudar e ficar com todos os seus problemas.

O poder no seu mundo é você! Você pode ter qualquer coisa que decida pensar!

Este momento inicia um novo processo. Cada momento é um novo começo e este momento é um novo começo para si, precisamente aqui e agora! Não é fantástico sabê-lo? Este momento é o Momento de Poder! É neste momento que começa a alteração!


Louise Hay, in “Pode curar a sua vida”

sábado, 4 de dezembro de 2010

Acerca da Falta de Tempo



Não o censuro se pertencer ao grupo de pessoas que constantemente usa o argumento que não tem tempo para fazer determinadas coisas, por vezes importantes para si próprio e para a comunidade. Eu própria, até bem há pouco tempo, não tinha consciência que o fazia por sistema. Não ter tempo é exactamente como não ter dinheiro – se assumirmos na nossa mente que estão em carência, isso passará a ser uma verdade absoluta. Quanto mais corrermos contra o tempo, mais ele fugirá de nós. Mais compromissos aparecerão, mais problemas para resolver. A mente estará tão ocupada, veloz e ansiosa, que o exterior acompanhará esse estado.


O que me fez parar para pensar neste assunto foi uma citação que me veio parar às mãos por coincidência (atenção às coincidências) a partir de “Life’s Little Instruction Book”, compilado por H. Jackson Brown, Jr. e que dizia assim: «Não diga que não tem tempo suficiente. Dispõe exactamente do mesmo número de horas por dia que foram concedidos a Helen Keller, Pasteur, Miguel Ângelo, Madre Teresa, Leonardo da Vinci, Thomas Jefferson e Albert Einstein.”

Na verdade, todos vivemos segundo as mesmas leis físicas. Todos temos as mesmas 24 horas por dia, mas cada um de nós é dono de escolher a melhor forma de dispor desse tempo. O que nos diferencia uns dos outros é pois a forma como usamos o nosso tempo.

Se nunca pensou acerca deste assunto, sugiro que proceda à seguinte reflexão:

  • É possível que esteja a ocupar o meu tempo com tarefas que não me realizam?
  • Estarei a negligenciar algo de importante quando estou mergulhado(a) na voracidade das tarefas diárias que se impõem?
  • Quais são os meus desperdiçadores de tempo? Que tarefas podem ser simplificadas ou até mesmo dispensadas?

Após ter procedido a essa reflexão, prepare-se para fazer uma lista onde identificará os seus desejos mais profundos e tudo o que deseja realizar ao longo da sua vida. É preciso que tome consciência daquilo que é de facto importante para si e para a sua felicidade. Ao estarmos mergulhados numa multiplicidade de tarefas e em constante corrida contra o tempo, frequentemente nos esquecemos do que de facto é primordial para nós.

De seguida disponha-se a seguir um plano que lhe permita concretizar as suas prioridades. Disponha-se diariamente a usar o máximo de tempo que lhe for possível para lutar pelos seus sonhos e ideais. Liberte-se de todos os desperdiçadores de tempo que conseguir identificar. Amealhe o tempo como se este fosse dinheiro: dez minutos aqui, vinte minutos acolá, ao final do dia são o tempo necessário para fazer o que verdadeiramente dá significado à sua vida.

É importante que diga: “não faço determinada coisa pois não quero usar o meu tempo nisso”, em vez de “não faço determinada coisa porque não tenho tempo”. Consegue perceber a diferença? No primeiro caso, estará a assumir responsabilidade pelo uso do seu tempo, enquanto no segundo caso transmite uma ideia de desânimo e carência. Deste modo, de escravo do tempo, passará a um estado de poder e autoridade.

É possível que os outros à sua volta estranhem essa mudança de atitude. Afinal, estará a dizer-lhes que o que é importante para essas pessoas não é de todo importante para si. Contudo, estará a ser honesto e a assumir o controlo do seu próprio tempo. Muito em breve estará a colher bons frutos dessa mudança de comportamento. A sua felicidade e paz de espírito agradecem. Não se esqueça que o tempo é o bem mais importante que possuímos.


**Sinta-se à vontade para partilhar este artigo no seu blog, site ou newsletter. Se o fizer, por favor inclua o nome do autor e um link a este site**

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-Não a obras Derivadas 2.5 Portugal.