quarta-feira, 31 de março de 2010

Não deixe que os outros decidam o seu dia por si


Se não decidir como vai gerir o seu dia, acredite que circunstâncias externas e outras pessoas o irão fazer por si, por vezes contra a sua própria vontade e através de acções que não aprecia de todo. Estará a transferir a sua própria responsabilidade para outros, o que pode parecer cómodo e positivo mas na prática não é. Estará a perder a satisfação de ver os seus objectivos serem alcançados. Não estará a fazer as coisas à sua maneira mas sim à maneira dos outros, gerando sentimentos de irritação, frustração e impaciência. E estará a comprometer a utilização da sua criatividade, motivação e realização pessoal.

Como utilizar a Lei da Atracção neste contexto? Experimente seguir estes passos:


  1. Intenção
    Assim que acorda, reserve alguns minutos para pensar no tipo de coisas que gostaria de experimentar ao longo do dia. Como gostaria que corresse o seu dia de trabalho? Que tipo de pessoas gostaria de encontrar? Gostaria que surgissem boas oportunidades para melhorar a carreira ou a sua situação financeira? Como gostaria de se sentir ao longo do dia? Anote todos os detalhes que lhe ocorrerem numa folha de papel ou na sua agenda electrónica.
  2. Visualização
    Imagine todo o cenário mentalmente, exactamente como gostaria que acontecesse. Faça de conta que está a assistir a um filme. Coloque todos os detalhes possíveis. Sobretudo faça com que o processo seja colorido e divertido. A vida não tem de ser sensaborona nem levada demasiado a sério.
  3. Sentimentos
    O mais importante do processo, é permitir-se sentir o que sentiria se aquilo que idealiza estivesse mesmo a acontecer. Mergulhe em sentimentos de excitação, alegria, contentamento e gratidão, enquanto visualiza os pormenores desejados. Repita o processo para todas as experiências que gostaria de ter.


De seguida, continue com a sua rotina normal, tendo o cuidado de não se prender a expectativas. Mantenha-se simplesmente aberto às oportunidades que possam surgir. Afirme para si próprio que boas coisas lhe irão acontecer ao longo do dia e que se sente grato por todas as dádivas e abundância na sua vida.


Ao mesmo tempo, evite envolver-se em sentimentos de apreensão, ansiedade, frustração e irritação pois isso iria interferir com a energia positiva que acabou de criar. Lembre-se de trazer ao pensamento, o mais frequentemente possível, todas as imagens que visualizou. Permita que os bons sentimentos que teve anteriormente voltem a fluir. Afirme e tenha a convicção que coisas maravilhosas vão acontecer, mesmo que ainda não existam fisicamente. Lembre-se que antes que alguma coisa exista no plano físico, é necessário que seja criada no plano mental.


Usando e repetindo este processo todos os dias, irá certamente verificar que como que por “coincidência”, novas circunstâncias começarão a surgir. Irá dar por si no “sítio certo à hora certa” e usufruindo de grandes oportunidades e abundância.

sábado, 27 de março de 2010

Encare Os Problemas Como Desafios


Todos nós somos confrontados com problemas e dificuldades. É natural que assim seja pois nem sempre o que desejamos é fácil de obter. É preciso lutar pelas coisas que são importantes para a nossa realização como seres humanos ou que simplesmente nos colocam um sorriso no rosto e garantem que a nossa existência vale a pena. Nesse contexto, é necessário que saibamos encarar os obstáculos com optimismo e até como uma oportunidade de crescimento e evolução.

Há pessoas que querem muito determinada coisa mas acabam sempre por desistir se surgem dificuldades. Ao esbarrarem com obstáculos, convencem-se a si próprias que isso significa que o caminho que estavam a tomar não é o correcto ou então que aquela não é a altura adequada. Acabam resignando-se à mediocridade do facilitismo, adiando sistematicamente aquilo que poderia mudar as suas vidas para melhor.

Caso se reveja um pouco nesta descrição, não desanime. Está sempre a tempo de mudar de atitude. Eis alguns passos que lhe poderão servir de ajuda.

  1. Não escute e evite as pessoas que lhe dizem que não conseguirá fazer determinadas coisas. Nunca se deixe persuadir que algo é difícil ou impossível de obter. Em vez disso, faça por se rodear de pessoas optimistas e motivadas. Esforce-se ao máximo e tente tudo o que esteja ao seu alcance para superar qualquer obstáculo.
  2. Verifique se aquilo que quer atingir já foi conseguido por alguém. Em caso positivo, pesquise como é que essa pessoa resolveu os problemas inerentes à situação e utilize-a como modelo a seguir. Considere todas as saídas possíveis, desde formação específica, a consultas com quem o possa auxiliar a desenvolver uma estratégia de acção adequada.
  3. Não evite os problemas, antes pelo contrário, enfrente-os corajosamente. Quanto mais protelar as coisas, maiores proporções estas tomarão e mais difícil será então resolve-las. Por vezes, pequenos contratempos que se resolveriam facilmente se tratados de início acabam por se transformar em grandes dores de cabeça.
  4. Deliberadamente, adopte uma atitude positiva e procure todas as vantagens e benefícios da questão. Não se esqueça que para tudo existe um lado positivo e negativo. Assim, por maior que o problema seja, haverá sempre pontos positivos que o poderão beneficiar.
  5. Visualize o que acontecerá quando tiver ultrapassado os problemas e alcançado aquilo que deseja. Como estará o meio à sua volta? Por quem estará acompanhado e o que é que essa ou essas pessoas lhe dirão? O que terá mudado? Sobretudo, como se sentirá então? Caso essa visualização seja atraente e lhe traga a percepção que vale a pena usar todos os esforços para vencer as contrariedades, desenvolva um plano de acção específico e comprometa-se a seguir sempre em frente e nunca desistir.

Uma das coisas determinantes para o sucesso é a atitude perante as adversidades. Não podemos escolher as dificuldades que vamos encontrar ao longo do nosso percurso, mas podemos decerto escolher as acções a desenvolver para superar essas dificuldades.

Alguém disse um dia que o que importa verdadeiramente não são os acontecimentos mas sim as atitudes que tomamos perante esses acontecimentos. Esta é uma grande verdade que deveríamos sempre ter em mente. Compreenda também que só o facto de superar algo considerado difícil pode contribuir para elevar a auto-estima e servir de alavanca para outras realizações que nem sequer sonhava ser possível.

terça-feira, 23 de março de 2010

A Concentração e a Focalização

Uma das maiores dificuldades na prática da meditação prende-se com a concentração e focalização. Todos os iniciantes acabam por perceber rapidamente o quão difícil se torna silenciar a mente. Essa dificuldade advém do facto de pensamentos fugidios estarem constantemente a aparecer, saltitando de assunto em assunto ou retornando sistematicamente para um único tema que nos preocupa no momento. Pensamos em tudo menos naquilo que escolhemos para nos focalizar. Assim que nos apercebemos do que está a suceder, fazemos esforços para nos mantermos concentrados e a coisa até parece correr bem durante alguns segundos mas, de repente, torna a surgir um pensamento relâmpago de uma compra que queremos fazer ou de uma conversa que tivemos ao almoço.

Muitas pessoas sentem-se desanimadas ao aperceberem-se que não conseguem controlar os seus pensamentos por muito tempo e acabam por desistir logo de início.

Não se pode dizer que seja fácil mas é perfeitamente possível aprender a treinar a mente. É tudo uma questão de tempo e de persistência. É também uma questão de aprendizagem e de experiência. Quanto mais nos exercitarmos na prática da meditação, mais progressos iremos obter.

É necessário entender que não existem boas ou más meditações. Algumas são profundas, outras são mais superficiais. Algumas vezes a mente está calma, outras vezes está mais barulhenta. Não caia na tentação de comparar a meditação que está a fazer com a meditação que fez no dia anterior. Abstenha-se de julgamentos. Mantenha uma atitude de aceitação e nunca se culpe pelos resultados, por mais negativos que lhe possam parecer. A meditação acaba sempre por proporcionar uma redução da tensão física, a diminuição da ansiedade e um crescente sentido de controlo. Má meditação é somente aquela que não se faz.

O principal objectivo da prática da meditação é, para a maioria das pessoas, libertar a mente de ansiedades e temores e alcançar um estado de paz e tranquilidade. Para isso, é necessário deixar ir os pensamentos e as emoções, simplesmente observá-los sem julgamentos e não se deixando influenciar por eles. Para facilitar o processo, é aconselhável manter a atenção em qualquer coisa, ou seja manter um foco específico. O método mais utilizado para manter essa focalização é a respiração.

Uma respiração correcta passa pelo diafragma e não pela parte superior do peito, na medida em que a contracção do diafragma permite um gasto reduzido de energia e facilita a ventilação na parte inferior dos pulmões. Para manter a focalização, deverá em primeiro lugar preocupar-se em manter uma respiração profunda e prolongada, inalando e exalando pelas narinas. Um exercício útil poderá ser contar quer as inspirações quer as expirações – conte de um a dez e volte novamente ao um. À medida que ganha experiência, alargue a contagem até chegar aos trinta. Perdendo-se na contagem, o que decerto irá suceder muitas vezes no início, volte novamente ao início.

A par da respiração, poderão ser utilizados mantras ou, em alternativa e se preferir, preces curtas. As palavras, sons ou frases escolhidas deverão ser repetidas silenciosamente ou em baixa voz, intervalando com a respiração na forma que lhe pareça mais adequada.

Assim que se aperceba que os pensamentos começam a surgir, concentre-se suavemente no seu foco. Não reprima os pensamentos, simplesmente deixe-os ir. Quando deixar de prestar atenção quer aos pensamentos quer ao seu foco, irá experimentar paz e serenidade. Não se preocupe em trazer de volta a mente para o foco, a mente voltará a focalizar-se por si só. Relaxe e simplesmente usufrua essa paz e a serenidade. A final de contas, esse é o prémio valioso da prática da meditação.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Libertar-se do Mau Humor


Todos nós temos os nossos maus humores de vez em quando. É perfeitamente normal, pelo que temos de encarar esse facto sem dramatismos. Porém, quando o problema toma contornos mais contundentes e damos por nós a reagir impetuosamente a cada pequena coisa que ameace a nossa rotina, então é altura de agir e impedir que a ruína tome conta do nosso dia.

Por vezes, os maus humores acontecem exactamente nos piores momentos e podem mesmo impedir a realização de objectivos importantes anteriormente estabelecidos. Para evitar o problema, pode encontrar abaixo algumas estratégias simples para retomar o seu equilíbrio.
  • Abandone a sala
    Melhor dizendo, mude de cenário o mais rápido possível. O mau humor pode ser despoletado por todo o género de coisas e frequentemente a origem encontra-se no seu meio envolvente. Assim, se continuar no mesmo ambiente, é provável que continue a pensar e repensar nessa coisa que desencadeou a sua irritação.
    Se puder, vá de imediato para outro ambiente, envolva-se com novas situações ou tarefas, com diferentes pessoas e diferentes sensações.
  • Dê um mimo a si próprio
    Quando se está de mau humor é fácil procurar pretextos para reforçar essa disposição. Porquê? Simplesmente porque queremos ter a percepção que esse mau humor é justificável e então procuramos tudo e mais alguma coisa para o confirmar.
    Quebre essa conduta fazendo o oposto, por mais estranho que isto lhe possa parecer. Assista a um filme cómico, cante a sua música favorita, saia para uma caminhada no seu jardim local, para ir tomar um café ou uma fatia de bolo. Faça alguma coisa que lhe dê prazer e lhe coloque um sorriso no rosto. Vai ver que o mau humor passará à história em três tempos.
  • Em cinco minutos deite tudo cá para fora
    Vá para uma sala isolada ou para algum sítio no exterior e simplesmente grite, choramingue e barafuste tanto quanto queira. Comprometa-se simplesmente a voltar e retomar as suas responsabilidades passados cinco minutos. Nesse entretanto, não pense nem faça pausas, simplesmente deite tudo cá para fora. Vai ver como esse período de catarse vai operar maravilhas. O que acontece com mais frequência é que antes de esgotados os cinco minutos, a grande maioria das pessoas já conseguiu livrar-se de toda a má energia e até já soltou algumas gargalhadas à mistura. Seja como for, vai certamente sentir-se mais leve.
  • Vá até ao ginásio
    Tem o mesmo efeito da caminhada, na medida em que o exercício físico influencia o nosso humor devido ao facto de serem libertadas endorfinas e serotoninas na corrente sanguínea, o que provoca uma sensação de bem-estar e prazer. Ir ao ginásio, não só permite a libertação desses químicos milagrosos como desvia a atenção da origem do mau humor. Ao mesmo tempo que cuida da sua mente e do seu espírito, estará a cuidar da sua saúde física. É o que se chama “matar dois coelhos com uma só cajadada”.

Em conclusão, convém alertar que o mau humor pode ser afinal uma reacção positiva, sobretudo se surge com frequência. Nesse caso, poderá funcionar como um sinal de que alguma coisa de errado se passa na sua vida. Ao permitir que o mau humor tome o seu curso normal, acabará por ser impelido a pesquisar os recantos escuros do seu subconsciente, que de outra forma não pesquisaria. Procure os motivos escondidos para esse mau humor constante, analise tudo o que pode ser feito para mudar a situação. O problema é relacionado com a carreira profissional? Sente-se estagnado e numa situação em que percepciona que faça o que fizer não conseguirá evoluir? Simplesmente entra em conflito com determinado colega de trabalho? O que está a acontecer que precisa ser encarado e modificado?

O mau humor pode ser tão válido como o bom humor. O facto de aceitar esta premissa pode permitir-lhe trazer ao consciente certos pormenores da sua realidade a que antes não atribuía ou não queria atribuir importância.

segunda-feira, 15 de março de 2010

A Rosa e o Sapo


Era uma vez uma rosa muito bonita, que se sentia envaidecida por saber que era a mais linda do jardim.

Um dia apercebeu-se que as pessoas a observavam somente ao longe e nunca se aproximavam. Deu-se então conta que isso acontecia porque um sapo grande estava sempre perto de si.

Indignada pela descoberta, ordenou ao sapo que imediatamente se afastasse dela.

O sapo, muito humildemente, disse:

- Está bem, se é assim que queres...

Passado algum tempo, o sapo passou por onde estava a rosa, e ficou surpreendido ao encontrá-la murcha, sem folhas nem pétalas. Penalizado, disse-lhe:

- Que coisa horrível, o que te aconteceu?
A rosa respondeu:

- É que, desde que te foste embora, as formigas foram-me comendo dia após dia e agora nunca mais voltarei a ser o que era.

O sapo respondeu:

- Quando eu estava por aqui, comia todas as formigas que se aproximavam de ti. Por isso é que eras a mais bonita do jardim...

Muitas vezes desvalorizamos os outros, por acreditarmos que somos superiores a eles ou que não nos servem para nada. Porém, todos temos alguma coisa a aprender com os outros ou a ensinar-lhes. Não devemos desvalorizar ninguém. Pode ser que alguém a quem não damos valor, nos faça um bem que nem mesmo nós percebemos.

Adaptado de texto de autor desconhecido


***********Nota: Os modernos conceitos de metáfora, baseados na obra de Milton Erickson, são adoptados pela PNL.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Desenvolver uma Mentalidade para o Sucesso



Já deve ter ouvido dizer que o sucesso é um estado de espírito. Já alguma vez pensou porque é que duas pessoas, usando exactamente os mesmos meios e técnicas, tentam em simultâneo alcançar o mesmo objectivo e apenas uma delas acaba por ser bem sucedida? Será simples sorte? Tenacidade? Capacidade de trabalho? A verdade é que, na maioria das vezes, é somente o padrão de pensamento de cada um de nós que determina o fracasso ou o sucesso.


E afinal, o que é um padrão de pensamento? Tipicamente, um padrão de pensamento mais não é do que o seu estado de espírito predominante ao longo do tempo. Trata-se daquilo em que costuma pensar no quotidiano, da forma como o faz, em que se focaliza e o que espera das suas experiências diárias. Se pensar sempre negativamente, se esperar sempre o pior de cada acontecimento, se for pessimista nas suas opiniões, então será precisamente o que estará a desenhar para a sua vida. Por outro lado, ao pensar positivamente, ao esperar sempre o melhor de cada situação e ao focalizar-se num bom resultado, na maioria das vezes obterá isso mesmo da vida.


Uma mentalidade direccionada para o sucesso é importante na medida em que impulsiona a sua confiança e auto-estima. Significa que acredita em si próprio e nas suas capacidades. Acredita que será capaz de ser bem sucedido em praticamente tudo o que tente e está disposto a dar o seu melhor para que tal aconteça. Quanto mais tentativas realizar, mais confiança e auto-estima vai construindo, até se tornar praticamente imparável. Por outro lado, a falta de confiança e auto-estima é geralmente acompanhada por um sentimento de impotência, que é exactamente o oposto daquilo que se pretende. Significa que não vê nenhuma vantagem em lutar pelos seus sonhos porque acredita que, de qualquer forma, nunca será bem sucedido. Obviamente, este tipo de padrão de pensamento é a fórmula ideal para o fracasso, seja em que empreendimento for.


Sem um padrão de pensamento direccionado para o sucesso, uma única falha é suficiente para que se convença que é uma pura perda de tempo perseguir os seus sonhos. Tenacidade e determinação não existem no seu mundo. Se não alcançar o sucesso à primeira tentativa, depreende que o mesmo não lhe está destinado e acaba por desistir, mesmo sabendo que poucas coisas valiosas são obtidas de um modo fácil. Contudo, se a sua mentalidade estiver direccionada para o sucesso, terá a consciência que falhar não é o fim do mundo. Tratou-se apenas de um método que não funcionou da forma que estava à espera. De facto, é para si óbvio que a única verdadeira falha ocorre simplesmente quando desiste dos seus sonhos.


Um padrão de pensamento direccionado para o sucesso encoraja acções produtivas.
Já alguma vez teve a sensação de andar em círculos por não saber a melhor forma de se aproximar de um determinado objectivo? Talvez tivesse uma ideia do método adequado para lá chegar mas sentiu-se intimidado pelas acções a desenvolver. Como resultado, poderá ter sabotado os seus esforços, enquanto procurava em vão por uma via mais fácil e menos assustadora.


Com um padrão de pensamento verdadeiramente direccionado para o sucesso, saberá sempre quais os passos mais eficientes que o encaminham de forma directa e segura para a sua meta. E terá também confiança e determinação para perseguir esses objectivos.


Para desenvolver esse tipo de mentalidade, considere o seguinte:

  • Siga os seus sonhos e determine o que quer da vida
  • Pense de uma forma positiva
  • Acredite em si próprio e nas suas capacidades
  • Acredite que consegue fazer melhor
  • Aprenda, cresça e faça por evoluir
  • Esteja disposto a correr riscos
  • Dê o seu melhor em tudo o que faz
  • Espere sempre o melhor em todas as situações
  • Esteja disposto a falhar
  • Quando falhar, reformule e tente uma nova abordagem
  • Seja persistente e não conseguirá impedir que o sucesso venha ao seu encontro.

domingo, 7 de março de 2010

As the wind blows


Nada melhor para um final de tarde de Domingo do que descontrair ao som de uma música relaxante. Hoje escolhi Kitaro e a faixa "As the wind blows", do album "The Essential Kitaro".
Através de link youtube, página de fransgrol, com imagens exepcionais:

quarta-feira, 3 de março de 2010

Comprometer-se com os seus objectivos


Muitos dos objectivos que nos propomos alcançar acabarão simplesmente por nunca ser realizados. A diminuição do empenho colocado no início e, posteriormente, a desistência devem-se aos mais variados motivos, tais como o surgimento de atrasos, dificuldades e obstáculos que inviabilizam momentaneamente os planos traçados. A tentação de desistir acaba então por se tornar mais atraente. Isto costuma acontecer com frequência quando não é estabelecido um compromisso para atingir os resultados pretendidos. Firmar um compromisso sério e manter continuamente os seus objectivos em mente é, sem dúvida, uma das chaves para o sucesso.

Em primeiro lugar, é necessário que tenha a certeza que os objectivos que se propõe atingir são de importância vital para si. Muitas vezes enganamo-nos pensando que queremos uma coisa quando, na realidade, essa coisa nem é muito importante para nós. Somos induzidos pelos outros, pela família e amigos e mesmo pelos apelos atractivos da publicidade e dos órgãos de comunicação social. Assim, habitue-se a reservar algum do seu tempo para se certificar do que é de facto importante para si e só para si. Para o ajudar, poderá colocar-se as seguintes questões:

  • Porque é que desejo este objectivo?
  • O que ganharei caso alcance este objectivo?
  • E que coisas deixarei de ganhar? Ou mesmo perderei?
  • Como me sentirei se conseguir realizar esses objectivos?
  • Alguém sairá prejudicado se obtiver o que desejo?


Escreva as respostas numa folha de papel. Caso fique com a certeza que esse objectivo realmente é importante para si, guarde essa folha por perto, para que possa fortalecer-se sempre que se aperceba que a sua motivação está em vias de enfraquecer. Adicionalmente, pergunte a si próprio se esse objectivo merece o esforço e sacrifício necessários.

Feche os olhos e pense no que acontecerá caso não consiga alcançar o seu objectivo. A sensação é de derrota, tão penosa que não consegue suportar essa imagem por muito tempo? Nesse caso tem de elevar a fasquia. Tem de tornar o seu objectivo a coisa mais importante da sua vida, mesmo que tenha de esforçar-se por acreditar nisso. Por exemplo, alegue que perderá o respeito por si próprio ou comprometa-se a desistir de alguma coisa que lhe é imprescindível caso não consiga atingir os seus propósitos. Melhor ainda será simplesmente recusar-se a pensar que exista a hipótese de não alcançar o que pretende.

A cada dia que passa renove o seu compromisso. É fácil conseguir-se empenho quando se acaba de firmar um objectivo e a motivação se encontra ao rubro. No entanto, é necessário manter o compromisso vivo, aconteça o que acontecer. Todos os dias, ao acordar, releia os objectivos e os planos que desenhou no primeiro dia. Relembre-se o quanto esse resultado é importante para si e para a sua vida. Prometa a si próprio que nesse dia e nos dias vindouros fará tudo o que estiver ao seu alcance para se aproximar da sua meta. Trabalhe sempre afincadamente, nem que seja somente por meia hora ao dia, nos projectos que estabeleceu. Essa é uma forma de nunca esmorecer e de manter acesa a chama da motivação.

Não pode delegar em ninguém a tarefa de lutar pelos seus objectivos. Mais ninguém pode fazê-lo por si. Se na realidade quiser ser bem sucedido, terá de encontrar a determinação e força necessárias para seguir sempre em frente. A inactividade e o adiamento das acções necessárias são simplesmente maus hábitos que pode transformar em produtividade através de um esforço continuado. Quanto mais motivado e determinado estiver, mais provável será que consiga ser bem sucedido.