sábado, 30 de janeiro de 2010

Meditação – Qual o Tempo e Duração adequados?





A prática da meditação é benéfica a qualquer hora do dia, contudo, a maior parte dos seus adeptos prefere a manhã referindo que ao romper do dia a agitação do mundo ainda não começou e, sendo assim, é mais fácil estabelecer uma atmosfera favorável à meditação. Referem igualmente que as mentes se acalmam mais facilmente logo após o acordar, depois de uma retemperadora noite de sono. Outra das vantagens de se meditar no início da manhã é que desse modo é possível levar toda a energia e tranquilidade alcançadas para as actividades diárias.


Há igualmente quem prefira meditar a meio do dia, referindo que essa prática proporciona um período de recuperação e repouso, facultando um intervalo e dividindo o dia em duas metades. Outras pessoas preferem ainda a noite porque dessa forma se consegue o reequilíbrio após as actividades stressantes do dia de trabalho. É tudo uma questão de escolha pessoal que pode ou não obedecer aos biorritmos individuais de cada um. O ideal seria mesmo fazer pelo menos dois períodos de meditação, um de manhã e outro à noite. Porém, o acumular de tarefas que se sucedem no mundo moderno nem sempre possibilita que assim seja. Se for esse o seu caso, é aconselhável que teste por si próprio qual o período que mais se adequa às suas necessidades e aos seus afazeres, respeitando é claro a sua natureza.

Uma regra de ouro a seguir é que, a partir do momento em que determina qual o melhor período do dia para meditar, deverá fazê-lo todos os dias à mesma hora. Ter uma hora do dia bem determinada para a meditação, ajuda a manter a sua regularidade. Consistência é muito útil para formar um bom hábito. As pessoas muitas vezes queixam-se de falta de disciplina mas se a meditação se transformar num hábito, tal como tomar as refeições, sair para o trabalho ou lavar os dentes, então não será necessário qual tipo de disciplina. Na verdade, nós fazemos regularmente todas as tarefas do nosso quotidiano simplesmente porque formámos esse hábito. A partir do momento que o hábito se encontra estabelecido, tudo acontece de uma forma mais ou menos automática. É importante perceber esse princípio antes de se iniciar na meditação.

Para um praticante inicial, as sessões não se deverão prolongar para além dos dez minutos. Cinco a dez minutos são um bom começo. À medida que o tempo passa poderá e deverá ir aumentando gradualmente a sua duração, mesmo que seja apenas um ou dois minutos por semana. Os meditadores mais experientes meditam pelo menos uma hora diária, podendo dividir a prática entre dois períodos distintos de meia hora cada. Mais uma vez, deverá ser cada um a estabelecer as suas rotinas, consoante as suas preferências e objectivos pessoais.

Um último conselho, mas não menos importante, prende-se com a quebra da rotina motivada por exemplo por situações como férias ou pela chegada de visitas. Mesmo que lhe seja impossível cumprir com o seu plano habitual, tente fazer pelo menos alguns minutos de meditação todos os dias, seja qual for o ambiente em que se encontre e seja qual for a situação que esteja a passar. Manter a prática é essencial, uma vez que uma vez quebrado o hábito é muito difícil restabelecê-lo.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Como trazer equilíbrio para a sua vida


Quando tudo parece fora de controlo e se vê envolvido em inúmeros afazeres que o fazem correr em várias direcções, é natural que ao fim de um tempo se sinta esgotado e stressado.

Pode não acreditar mas o equilíbrio da sua vida não requer grandes mudanças. Não é necessário que se despeça do seu emprego, abandone a família ou se retire para um ashram distante para que se sinta em paz e sossego. O verdadeiro equilíbrio tem início em primeiro lugar no seu interior e não propriamente no que possa estar a acontecer no mundo exterior.

Eis alguns truques para começar a usufruir de paz interior e harmonia:

  1. Silêncio
    Uma das primeiras coisas que pomos de parte quando estamos muito ocupados, é o tempo para nós próprios. Em vez disso, gastamos toda a nossa energia e atenção em múltiplas tarefas e solicitações, em tudo aquilo que a sociedade encara como “gerador de produtividade”. Mas o que acontece é que, com o passar do tempo, a nossa energia esgota-se e começamos a sentir-nos sobrecarregados por tantas responsabilidades.

    Para que tenha uma vida mais equilibrada, é indispensável que reserve algum tempo para si próprio. Pode argumentar que não tem tempo livre disponível mas uma coisa extraordinária acontece quando consegue arranjar tempo diariamente para si: começará a sentir-se feliz, com mais energia e com maior capacidade de concentração. Acabará por verificar que é possível realizar mais coisas em menos tempo. Não foi por acaso que Gandhi afirmou um dia: “Tenho tanto para fazer hoje que vou precisar de meditar duas vezes mais!”.

    A verdade é que uns simples 20 a 30 minutos “gastos” em meditação, na leitura de um livro que transmita inspiração ou simplesmente a escutar a sua música favorita podem ser verdadeiramente proveitosos ao transmitir-lhe sentimentos de paz e alegria.
  2. Cuidar de si
    Além de disponibilizar tempo para as coisas que gosta e lhe transmitem tranquilidade e paz de espírito, existem outras formas de regularmente se mimar. É o caso de reservar um período de 8 horas para o seu sono (ou o tempo que o seu organismo necessite), optar por uma dieta saudável e nutritiva, praticar exercício físico com regularidade ou mesmo falar amavelmente consigo próprio.

    Quando estamos esgotados ou stressados, qualquer contrariedade que surja nos parece um pesadelo. Por outro lado, quando nos sentimos equilibrados e repousados, sentimo-nos capazes de enfrentar os maiores problemas do mundo. Cuidar de nós próprios é uma forma de reabastecimento de energia, paz interior e contentamento.
  3. Flexibilidade
    Sabia que ter expectativas rígidas é uma das principais causas de stress? Volta e meia todos temos tendência a imaginar como as nossas vidas “deveriam ser”. Quando constatamos que as circunstâncias exteriores não acompanham as nossas expectativas, temos tendência a sentir-nos aborrecidos e irritados. Um estado de espírito flexível contribuirá para evitar essa tendência. Por outras palavras, aprenda a desligar-se de quaisquer expectativas irrealistas e permita-se aceitar as circunstâncias que são alheias à sua vontade. Ao possuir flexibilidade, encontra-se capacitado a ultrapassar os desafios e obstáculos da vida sem dramas nem frustrações. Ser como a árvore que se inclina com o vento, é a maneira mais simples de não se deixar derrubar.

    Obviamente não lhe estou a dizer para aceitar tudo o que acontece à sua volta com resignação e conformismo. Poderá e deverá sempre examinar as circunstâncias exteriores e verificar se é possível modificar alguma coisa que não lhe agrada particularmente. Tudo o que esteja nas suas mãos fazer para mudar as coisas para melhor, simplesmente faça-o. Mas se não poder fazer nada, aceite as coisas como são e não se martirize.

    Poderá sempre libertar-se de algumas obrigações que deixaram de ser importantes para si ou que simplesmente deixaram de lhe interessar. Analise tudo o que possa estar a contribuir para esgotar o seu tempo e energia, impedindo dessa forma que progrida. Esteja disposto a libertar-se de actividades que deixaram de fazer parte do estilo de vida que ambiciona. Estará dessa forma a criar espaço para um melhor desempenho e a canalizar mais paz e alegria para a sua vida.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Ecos da Vida


Um filho e o seu pai caminham por uma montanha. De repente, o menino cai, magoa-se e grita:
- Aiiiiii!!!
Para sua surpresa, escuta a sua voz a repetir-se vindo da montanha.
- Aiiiiii!!!
Curioso, o menino pergunta num grito:
- Quem é você?
E recebe como resposta:
- Quem é você?
Contrariado, grita:
- Seu cobarde!
E escuta como resposta:
- Seu cobarde!
Aflito, o menino olha para o pai e pergunta:
- O que é isso?
O pai sorri e diz:
- Meu filho, presta atenção.
Então, o pai grita em direcção da montanha:
- Eu admiro-te!
A voz responde:
- Eu admiro-te!
De novo o homem grita:
- És um campeão!
E a voz responde:
- És um campeão!
O menino fica espantado e não entende. Então o pai explica:
- As pessoas chamam de ECO, mas, na verdade, isso é VIDA. A vida dá-te de volta tudo o que dizes, tudo o que desejas de bom ou de mau aos outros. A vida devolve-te toda a blasfémia, inveja, incompreensão ou falta de honestidade. A nossa vida é simplesmente um reflexo das nossas palavras e acções. Se queres amor, compreensão, harmonia e felicidade, então cria mais amor, compreensão, harmonia e felicidade no teu coração. Se agires assim, a vida te dará tudo de volta através das pessoas que te cercam.


Adaptado de texto de autor desconhecido


***********Nota: Os modernos conceitos de metáfora, baseados na obra de Milton Erickson, são adoptados pela PNL.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Afirmações para a Prosperidade





Esforça-se por se focalizar na prosperidade mas, ao mesmo tempo, trava uma luta constante com pensamentos e hábitos negativos que lhe ocorrem e trazem para a sua vida o oposto do pretendido, ou seja dificuldades e perdas. Nesse caso, Afirmações para a prosperidade são a ferramenta adequada para si.

As Afirmações podem ser um veículo de transmissão de mensagens para a sua mente subconsciente. Na maioria das vezes, este processo implica a substituição de mensagens velhas e limitadoras por outras que sirvam de suporte e incentivo na busca de novas oportunidades. De igual modo, a forma como utiliza as suas Afirmações determinará a eficácia das mesmas. Por exemplo, se lhe fosse solicitado que recitasse esta Afirmação: “Sou um milionário!”, parece-lhe que seria uma abordagem adequada? Estaria a sabotar o sistema, simplesmente porque sabe de antemão que essa declaração não é verdadeira. Se tenta alimentar a sua mente inconsciente com uma crença que considera falsa, estará simplesmente a criar um conflito com o padrão actual das suas crenças. A sua mente inconsciente vai atender à emoção de não acreditar na veracidade das palavras que são proferidas e não às palavras em si. Dessa forma, nada na sua vida se alterará e, na pior das hipóteses, as coisas podem até mudar para pior. Dito de uma outra forma: aquilo que sentimos é mais importante do que aquilo que dizemos.

Para que as afirmações funcionem, devem ser formuladas de maneira a que a sua mente subconsciente não resista. Ou seja, devem ser credíveis para si. Considere a seguinte afirmação: “A cada dia que passa me torno mais próspero”. Esta parece-lhe mais credível, não concorda? A sua mente não tenta resistir porque pode perfeitamente imaginar que isso aconteça, mesmo que ainda não esteja a acontecer no momento presente. Poderá também formular as afirmações de um modo que estas lhe atribuam mais responsabilidade. A título de exemplo, experimente dizer “Estou aberto a todas as oportunidades de receber dinheiro de uma forma rápida e fácil”. Desta forma, sentirá que se encontra em pleno controlo das circunstâncias. Em vez de esperar ansiosamente que o dinheiro lhe caia do céu, estará a enviar à sua mente subconsciente a mensagem que pode controlar as suas finanças ao estar alerta para as grandes oportunidades que surjam.


As afirmações devem ser mantidas ao longo do tempo necessário para criar alicerces firmes na mente. A maioria das vezes, este tempo depende da intensidade das suas crenças e no nível de esforço que coloca em torno dessas crenças. Se a sua focalização em carências e perdas for muito forte, provavelmente terá que despender uma quantia considerável de energia e esforço para treinar a sua mente a focalizar-se em prosperidade. Contudo, esse tempo e esforço será bem gasto, na medida em que quanto mais se focaliza em pensamentos positivos e crenças de prosperidade, mais estará a atrair para a sua vida boas coisas e novas oportunidades.



Seguem-se algumas afirmações que podem servir de ajuda para alcançar prosperidade:

  • Eu utilizo os meus pensamentos e emoções para atrair abundância
  • A cada dia que passa me torno mais próspero e bem sucedido
  • Sei que tenho tudo o que preciso para triunfar
  • Sou talentoso e criativo
  • Todas as formas de prosperidade chegam a mim
  • A cada momento sou um íman que atrai riqueza
  • O dinheiro chega a mim tanto de maneiras previstas como inesperadas
  • Sei que mereço as melhores coisas da vida
  • Desejo abrir-me para a prosperidade ilimitada que existe em toda parte
  • Liberto-me de toda a resistência ao dinheiro e permito que ele flua para a minha vida
  • Tenho dinheiro de sobra para gastar, investir e ajudar os outros
  • A vida satisfaz todas as minhas necessidades com grande abundância




sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Ajuda para o Haiti


Temos assistido às imagens transmitidas nos últimos dias nos noticiários das televisões, a propósito do violento terramoto que assolou e destruiu as edificações do Haiti, provocando milhares de mortes, um número incontável de feridos e desalojados que se amontoam nas ruas à espera de ajuda. Perante tanta destruição, desolação e sofrimento, somos confrontados com a nossa fragilidade e vulnerabilidade de seres humanos. Somos invadidos por uma sensação de impotência, de pouco poder fazer para ajudar.

Ainda nos resta esse pouco que podemos fazer. Na certeza que é necessária acção e que ficar de braços cruzados não é solução, aqui ficam os links para ajudar através das organizações que estão a prestar auxílio:

AMI: http://www.ami.org.pt/default.asp?id=p1p8&l=1

Caritas: http://www.caritas.pt/

Cruz Vermelha Portuguesa: http://www.cruzvermelha.pt/cvp_t/

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Uma Questão de Pontos de Vista





Teve uma discussão com um familiar, amigo ou colega de trabalho. Enfureceu-se de tal forma e os seus sentimentos ficaram tão à flor da pele que só conseguiu ver as suas próprias razões. Nesse momento teve a certeza absoluta que era dono da razão, pouco se importando com os pontos de vista da outra pessoa.

Agora, à distância do tempo, sempre que se recorda da discussão sente ainda um amargo de boca. Se por acaso a outra pessoa toca no assunto, não deseja falar nisso e desvia a conversa, temendo reacender a polémica.

Existe uma técnica de PNL para lidar com situações como a que acabei de descrever. Segundo Richard Bandler poderá até mudar de perspectiva fazendo o seguinte:

  • Pense numa discussão que tenha tido com alguém e que ainda esteja bem presente na sua memória. Tem de ter a certeza que estava com a razão. Relembre-se de todas as cenas do episódio, tintim por tintim.
  • De seguida, passe todas as imagens de novo na sua memória, mas tente dissociar-se ou seja, sair da sua própria pessoa e colocar-se de parte como se fosse um mero espectador. Assista a todas as cenas do princípio ao fim, repare nas suas reacções, na sua fisionomia, nas palavras que utilizou. Assista aos argumentos do seu interlocutor e identifique os pontos de vista dele.


Poderá surpreender-se com os resultados desta experiência. Algumas pessoas notam de imediato pontos sem nexo no seu argumento. Verificam que falaram simplesmente por impulso e que não prestaram atenção aos pontos de vista do outro. Pela primeira vez têm capacidade de dar ouvidos ao que a outra pessoa lhes queria transmitir na altura da discussão. Há quem se sinta mesmo ridículo ao observar o seu rosto e o seu tom de voz alterado e nervoso. E você, como se sente? Ainda tem a certeza que estava com 100% de razão nessa discussão?

Na realidade, pontos de vista são coisas muito subjectivas. Para um professor, as coisas podem ser bem diferentes do que para os seus alunos, tal como para um pai e o seu filho. Para um idoso as perspectivas também não se equiparam às de uma criança ou de um jovem. Culturas, épocas, áreas geográficas, raças e etnias, status, idades, o próprio sexo, podem fazer divergir os pontos de vista. O que hoje é verdade, amanhã deixa de o ser. O que hoje é proibido, amanhã passa a ser permitido e por vezes até desejado. O que em algumas culturas é normal noutros sítios do globo pode ser proibido e mesmo punível com penas pesadas.

Deixo por fim um truque que poderá utilizar sempre que alguma coisa o faça “ficar fora de si”. Respire fundo e pergunte-se o que vai achar desse incidente passadas algumas semanas. Será que isso fará alguma diferença dentro de algum tempo? Se a resposta for não, então é porque não valerá mesmo a pena estar a aborrecer-se. E não se esqueça de estar mais atento aos pontos de vista dos outros, a "colocar-se na sua pele", como se costuma dizer. E se as opiniões divergirem, entenda que não é necessário concordar-se com tudo. Duas pessoas ou mesmo um grupo podem perfeitamente ter pontos de vista diferentes e coexistirem pacificamente. Respeito e tolerância são chaves básicas para evitar conflitos e harmonizar relacionamentos.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

A Felicidade é Hoje e não Amanhã


As estatísticas dizem que a maioria das pessoas cria expectativas sobre o que as faria felizes, não conseguindo obter a mínima satisfação enquanto essas expectativas não se realizam. O pior de tudo é que mesmo quando as coisas se concretizam conforme idealizado, só muito raramente essas pessoas ficam satisfeitas. Em vez disso, criam novas expectativas, desta vez maiores e mais distantes, convencidos que estas então os farão mais felizes. Nunca se permitem alcançar um nível de contentamento, querem sempre mais e mais.

E você, identifica-se com essas pessoas? Continua à espera que as circunstâncias exteriores se modifiquem para que se permita ser feliz? Se sim, não se preocupe pois sou portadora de boas notícias. Pode decidir ser feliz AGORA, mesmo que nem tudo seja perfeito na sua vida. Aqui ficam três passos que pode seguir para que comece a verificar mudanças de atitude significativas:
  1. Cultive sentimentos de gratidão
    A gratidão é de longe um dos mais poderosos sentimentos que pode adoptar. Não só o fará sentir-se bem, como irá transferir o seu foco daquilo que não tem para aquilo que já tem de bom. Ao sentir-se grato por aquilo que tem, mesmo pelas coisas mais banais e que à primeira vista possa considerar um dado adquirido, estará a evitar preocupar-se com as coisas que eventualmente estejam a faltar na sua vida. Ao transferir a sua atenção para tudo aquilo que tem de bom, estará de facto a atrair mais coisas boas para a sua vida.
  2. Reserve tempo para desfrutar as coisas boas da vida
    Se passar a maior parte do seu tempo sentindo-se stressado e disperso, será difícil encontrar prazer e alegria de viver. Para ser feliz, precisa arranjar tempo para relaxar, sonhar e aproveitar cada momento que passa. A partir de hoje, assegure-se que reserva regularmente alguns minutos para fazer aquilo que gosta. Leia livros que estimulam a sua imaginação, ouça música que o relaxe e inspire, faça caminhadas na natureza e, acima de tudo, esforce-se para apreciar a vida como ela é. Aprecie o sol que brilha e aquece o seu corpo, a chuva que cai e deixa um cheiro a terra molhada, convidando à introspecção, o chilreio dos pássaros no arvoredo, o odor das flores nos canteiros. Cada momento nos traz algo de novo e inspirador, só é preciso ter consciência disso.
  3. Aprecie a Jornada
    A maioria de nós comete o erro de colocar grandes expectativas em resultados longínquos no tempo. Acreditamos que uma vez “chegados lá” tudo será então perfeito e finalmente nos sentiremos felizes e realizados. Contudo, o maior benefício está em apreciar a jornada enquanto ela se desenrola, independentemente de seja qual for o nosso destino. Faça por se divertir tanto quanto possível enquanto caminha na direcção dos seus objectivos. Aproveite a sensação de auto-domínio e realização que obtém com cada sonho que realiza. Para que o resultado final tenha um gosto especial, faça com que a cada metro da jornada valha a pena.


A coisa mais importante para aprender acerca da felicidade é que esta é grandemente resultado das escolhas que vamos fazendo a cada momento. É certo que existem situações penosas e difíceis de ultrapassar mas também é certo que a maioria das vezes permitimos que coisas insignificantes nos incomodem e desviem da nossa felicidade.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Propósitos de Ano Novo


Ano velho enterrado e passado já um dia de 2010, eis que temos 364 dias novinhos em folha pela frente. Olhamos, maravilhados, a promessa de chegada de uma nova fase nas nossas vidas. As passas foram engolidas à pressa e quase a seco às doze badaladas, acompanhadas pelos desejos mais profundos para um bom e feliz ano. Na nossa mente delineámos intenções e sorrimos, esperançados na sua concretização. Firmámos os mais díspares propósitos e projectos.

Ano após ano, a mesma cena repete-se. “Vou emagrecer! Vou deixar de fumar! Vou encontrar o(a) companheiro(a) da minha vida! Vou investir mais em mim! Vou estabelecer o meu próprio negócio! Vou….” Ano após ano renovam-se os sonhos.

Infelizmente, a maior parte dos propósitos ficará pelo caminho, enfraquecidos e depois aniquilados pela passagem dos dias e dos meses. Em Março ou até antes, muitos deles estarão já completamente esquecidos. O que correu mal entretanto?

Na verdade, concretizar um Propósito não é tão fácil como parece. Não basta atirar com uma semente para o solo, deixá-la lá ficar e ir à sua vida. Quem se dedica à agricultura sabe que as coisas não se processam dessa forma. Para que a semente dê frutos são necessários trabalhos e dedicação constantes. E é necessário saber esperar o tempo devido.

Também não é preciso que desespere ou desista dos seus sonhos. Não é esse o meu propósito, bem pelo contrário. O que pretendo é que faça as coisas como deve de ser. E para que seja bem sucedido e possa concretizar os seus sonhos em 2010, aqui vão algumas directrizes:
  • O seu propósito deve ser claro para si. O que é que pretende em concreto? Visualize claramente esse objectivo.
  • Deve ponderar se alguém será prejudicado se alcançar o seu objectivo. Se isso acontecer, é melhor desistir de imediato. Se, pelo contrário, esse propósito não só o beneficia a si como a outros, então siga em frente com renovada energia.
  • Deve haver uma forte razão para que pretenda alcançar esse objectivo.
  • Deve ser bastante importante para si. Deve desejá-lo ardentemente. Para testar a intensidade do seu desejo, imagine a sua vida sem ter alcançado esse objectivo e depois imagine a sua vida tendo-o alcançado.
  • Tem de acreditar que vai alcançar esse objectivo. Tem de ter fé.
  • Tem de firmar um compromisso consigo próprio de nunca desistir, aconteça o que acontecer. Certamente irá encontrar obstáculos mas nunca deverá ceder à ideia de voltar atrás nas suas intenções.


Tenha em mente que não basta escrever uma lista de Propósitos para o novo ano. Para cada Intenção é preciso estabelecer um Plano de Acção. No final terá sempre que agir e lutar pelos seus sonhos. Sem uma Acção específica, os seus objectivos não passam de desejos e jamais sairá do mesmo lugar.