terça-feira, 7 de julho de 2009

A importancia de saber quem de facto se é


Conta-se que numa aldeia distante, ao sul de Varsóvia, um rapaz de poucos recursos recebeu um bilhete de comboio para visitar um primo muito rico. Ele chegou na ferroviária segurando o seu bilhete com nervosismo. Como nunca tinha viajado de comboio, não sabia como agir. Percebeu de imediato que havia um grupo de pessoas bem vestidas e, como ele próprio estava vestido com umas pobres indumentárias, imaginou que não deveria se sentar com elas.

Reparou então que, no fundo da estação, estava um grupo de malandros maltrapilhos. Juntou-se então a eles imaginando que aquele era o seu lugar.

Os passageiros da primeira classe embarcaram, mas os maltrapilhos ficaram aguardando. De repente, ouviu-se um apito e o comboio começou a se movimentar. Os malandros pularam para dentro do vagão de bagagens, e o rapaz entrou com eles, ficando encolhido em um canto escuro do vagão, segurando o seu bilhete com medo.

Aguentou firme, até que a porta do vagão se abriu e entrou o maquinista acompanhado de dois polícias. Eles reviraram as bagagens até que encontraram os homens no fundo do vagão. O maquinista então perguntou, dirigindo-se ao rapaz: "Posso ver o seu bilhete?". Ele levantou-se e prontamente apresentou o bilhete que sempre segurara na mão.

O maquinista olhou e voltou a olhar o bilhete, não querendo acreditar, e começou a gritar: "Meu rapaz, você tem uma passagem de primeira classe. O que você está fazendo aqui no vagão de carga? Isto não faz sentido nenhum. Quando se tem um bilhete de primeira classe, o indivíduo deve-se comportar como um passageiro de primeira classe".

Desse episódio podemos concluir o quanto é importante conhecer-se e portanto procurar caminhos para o nosso auto-conhecimento, para que assim possamos estar ocupando na vida os lugares que nos estão reservados.



(Autor desconhecido)

Sem comentários:

Enviar um comentário