quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Meditação dos Três Centros




Conseguiu dedicar alguns minutos para a prática da meditação. Está recolhido no espaço favorito que reservou só para si. Desligou os telefones e desligou-se de todos os compromissos, problemas ou burburinhos mundanos. Eventualmente acendeu uma vela ou colocou incenso a queimar. Está confortavelmente sentado e confere que a sua coluna se encontra direita. O seu queixo está um pouco para cima e a língua toca o céu-da-boca. As suas mãos repousam nas pernas, com as palmas para cima ou com os dedos polegares tocando os indicadores. Está tudo mais que perfeito mas... e agora, o que fazer?

Calma. Vou sugerir-lhe uma técnica para se exercitar na meditação.

Comece por respirar profundamente através do nariz. Exale prolongadamente para esvaziar todo o ar dos pulmões. Através de uma respiração “normal”, usualmente exalamos somente 40% do ar existente no organismo, por isso certifique-se que respira profundamente. De seguida, concentre-se nos seguintes pontos, dedicando cerca de 2 a 3 minutos para cada um deles:

  • No centro inferior do seu abdómen, logo acima dos órgãos reprodutores. Ao inalar, sinta o seu umbigo a expandir-se. Isto permite que o diafragma relaxe, facilitando a circulação do ar nos pulmões. Ao exalar, sinta o ar a ser expulso do abdómen.

    Visualize uma bola de energia cor-de-laranja, como um pequeno sol, crescendo no seu abdómen. A cada respiração visualize essa bola tornar-se mais radiante e luminosa. Imagine que essa bola se expande e alastra para o chão, como que adquirindo raízes que o conectam com o solo.

    Ao transferir energia para o centro abdominal, descrito como um ponto importante para técnicas meditativas, estará de facto a potenciar a criatividade e a adquirir orientação, estabilidade e harmonia. Estará a criar um reservatório de energia física e sexual que lhe garante força e vitalidade. Estará também a adquirir estabilidade emocional, tolerância e um contentamento geral com a vida.

  • No centro do seu peito, bem no coração. Mantendo a respiração tal como indicado no ponto anterior, visualize uma bola de energia verde, crescendo no seu peito. A cada respiração visualize essa bola tornar-se mais radiante e luminosa. Imagine que essa bola se expande em seu redor, derramando amor e gratidão por tudo e todos, enchendo a sala, toda a sua casa e todo o mundo.

    Focalizar-se no centro do coração permite-lhe libertar-se de emoções negativas, elevar as suas vibrações e alcançar um estado benéfico de positividade. Na medida em que a frequência das ondas cerebrais e os batimentos cardíacos diminuem, e a sua respiração se harmoniza, são gerados sentimentos e emoções positivas tais como amor, paz, sensibilidade, perdão, compreensão, gratidão, consciência de grupo e união com a vida. Estes sentimentos operam milagres e transmitem-lhe um bem-estar geral.

  • No centro superior da cabeça, bem no seu topo. Mantendo a respiração tal como indicado nos pontos anteriores, visualize uma bola de energia violeta, crescendo no crânio. A cada respiração, visualize essa bola tornar-se mais radiante e luminosa. Imagine que essa bola se expande para o alto, alastrando-se para o tecto e conectando-o com o espaço infinito.

    Focalizar-se no Centro da Mente pode ajudá-lo a desenvolver uma percepção de silêncio e intuição. Através dessa experiência compreenderá que faz parte de Um Todo, ao qual todos nós pertencemos. Desvanecerá a ilusão de separação e individualidade. Este ponto está associado ao mundo espiritual e à ligação com o Divino. Indica como qualidades e lições a aprender a unificação do Eu Superior com a personalidade humana, a união com o infinito, vontade espiritual, inspiração, unidade, sabedoria e compreensão divina. E ainda, idealismo, serviço voluntário, percepção além espaço e tempo, e conformidade de consciência.



Seguidamente poderá imaginar um fio vertical unindo estes três centros e através do qual a energia vai fluindo harmoniosamente através do corpo físico. Transfira de novo a sua atenção para a respiração.

No final da sessão, em que cerca de quinze a vinte minutos serão suficientes, verificará que se sente calmo, relaxado, em harmonia e repleto de energia para retomar as suas actividades.

Em alternativa, poderá trabalhar os três centros individualmente, um por cada sessão de meditação.


domingo, 27 de dezembro de 2009

Meu Menino de Ouro



Nas limpezas do computador, encontrei um poema que escrevi na minha adolescência e que se adapta à quadra Natalícia que atravessamos. Assim, resolvi publicá-lo neste espaço.

Aproveito para desejar a todos os meus visitantes e amigos umas Boas Festas e um 2010 pleno de partilha, amor e solidariedade.



Meu Menino de Ouro
Ontem à tardinha passei por ti
e dos teus lindos olhos castanhos
vi brotar rios de lágrimas.
Eu sorria ao descer a estreita rua
e tu choravas, sozinho, numa esquina.
Estavas descalço, roto e despenteado
e tinhas a carita muito suja e triste.
Meu menino, meu menino pobre,
não chores quando eu descer a rua!

Não posso ficar com todos os pensos
que vendes para que te não batam,
não posso comprar-te sapatos ou botas
para que não te firam as pedras da rua,
não posso dar-te roupas quentes, abafos,
para que deixes de tiritar de frio,
não posso... não posso... que raiva!
Deves de estar farto de ouvir pessoas
a dizer que não podem fazer nada!


Olha, posso dar-te o meu amor, aceitas?
Penteio-te com os meus próprios dedos
para que os cabelos desgrenhados
não escondam esses olhos lindos.
Aperto a tua mão pequena na minha
e levo-te a passear pelas avenidas.
Falaremos sobre coisas belas e loucas,
sobre tudo o que possa dar alegria à vida.
Mas, meu menino, meu menino pobre,
não chores quando eu descer a rua!

Quero que abras as mãos e agarres o sol,
o segures com cuidado como a uma borboleta.
Fecha-as depois devagar, para nada te fugir,
e não reveles que guardas esse tesouro.
À noite, quando a cidade for um rio de luzes,
quando de mim nada mais restar que memórias,
aproxima-te duma janela e abre as tuas mãos,
solta ao vento o teu aprisionado raio de sol.


Estarás comigo nesse mesmo instante,
passarás a fazer parte dos bem-aventurados
que guardam mundos de esperança e sonhos
numas mãos fechadas e cheias de nada...
Meu menino, meu menino de oiro,
como brilham os teus olhos quando sorris!

sábado, 19 de dezembro de 2009

Vencer os Medos


Por vezes deixamos que os receios e dúvidas nos dominem e impeçam de seguir os nossos sonhos. Ao permitir que o medo nos controle por longos períodos, a nossa qualidade de vida pode ser prejudicada e levar-nos a ficar prisioneiros da inércia e da estagnação.

Porém, tome consciência que o medo não é mais do que uma resposta automática oriunda da mente. É somente uma reacção natural a situações estranhas ou desconhecidas. Por ser instintiva, há truques que podemos fazer para ultrapassar essa reacção.

  1. Verifique as suas expectativas
    A existência de expectativas negativas é o factor que mais contribui para o prevalecimento do medo.
    Será que está sempre à espera que aconteça o pior? Será que se preocupa obsessivamente com o que poderá correr mal, em vez de se focalizar nas suas forças e capacidades?
    Se fizer um esforço consciente para ver o lado positivo de cada questão e por se relembrar que consegue lidar com toda a espécie de situações, verificará que os seus receios serão dissipados ou pelo menos diminuídos.
  2. Retire o crédito aos seus medos
    Os especialistas irão dizer-lhe que a maior parte das coisas que receia simplesmente acabará por nunca acontecer. Se olhar mais de perto os seus receios e tomar consciência de todo o mecanismo existente, verá que vai ser capaz de ultrapassar esses receios, pelo menos na sua grande maioria.
    Por exemplo, se não se sentir confortável a falar em público e precisar de fazer uma apresentação a nível profissional, poderá acontecer que o medo o leve a sentir que toda a sua vida se encontra em jogo. Poderá mesmo dramatizar a questão e começar a preocupar-se que se não se sair bem na apresentação poderá ser despedido, ou que o chefe poderá perder o respeito por si, ou mesmo que os colegas poderão criticar e rir-se da sua performance.
    Será que alguma destas coisas vai mesmo acontecer? É provável que, na maioria dos casos, tudo aconteça simplesmente na sua mente e não na realidade. A não ser que se esforce muito para que tal aconteça.
    Em vez de se preocupar com o que “poderá” acontecer se a sua apresentação não for boa, será mais assertivo fazer o oposto, ou seja concentrar-se na visualização de uma boa apresentação e da plateia aplaudindo o seu desempenho. Poderá também procurar descontrair-se através de exercícios respiratórios ou físicos. E se continuar a sentir-se inseguro, poderá sempre esforçar-se por se preparar melhor, por ensaiar a apresentação com a sua família e amigos, escrevendo notas, etc.
  3. Faça exactamente aquilo que mais receia
    Ao trazer à lembrança que o medo não passa de um sentimento, este perde muito do seu poder. Poderá então escolher ignorar esse sentimento e continuar em frente, a não ser que de facto esteja a lidar com situações de verdadeira ameaça.


Se medir os prós e os contras em todas as situações, poderá verificar que a possibilidade de consequências negativas é insignificante. Assim, nada o impede de simplesmente ignorar os seus medos e lutar pelo que realmente mais deseja. Evidentemente que não se pretende que se torne descuidado com as suas tomadas de decisão ou que tome riscos desnecessários. A intenção é conferir-lhe a capacidade de perceber quando se trata de um medo infundado, para que o possa ultrapassar e concretizar os seus sonhos.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Viver como as Flores


Um discípulo, não encontrando resposta para as suas apoquentações, procurou o seu Mestre. Foi encontrá-lo em contemplação sentado frente a um jardim salpicado de flores. Após alguma hesitação, interrompeu o seu silêncio para perguntar:

"Mestre, como faço para não me aborrecer? Algumas pessoas falam demasiado, outras são ignorantes. Algumas outras ainda são indiferentes. Sinto ódio das que são mentirosas. Sofro com as que caluniam”.

“Pois então viva como as flores!”, respondeu o mestre sem retirar o olhar da imensidão do jardim.

“Mas como é viver como as flores?”, perguntou o discípulo, intrigado.

“Repare nestas flores”, continuou o mestre, apontando lírios que cresciam no jardim. “Elas nascem no esterco, no entanto são puras e perfumadas. Extraem do adubo fétido tudo que lhes é útil e saudável mas não permitem que a aspereza da terra manche o frescor de suas pétalas”.

O discípulo sentou-se ao seu lado, em silêncio, sentindo o seu coração ser tocado amorosamente pelas palavras sábias do seu Mestre. Com um sorriso sereno, este continuou:

“É justo angustiar-se com as suas próprias culpas, mas não é sábio permitir que os vícios dos outros o importunem. Os defeitos deles são deles e não seus. Se não são seus, não há razão para aborrecimento. Exercite, pois, a virtude de rejeitar todo o mal que vem de fora. Compreende agora como é viver como as flores?".


Adaptado de texto de autor desconhecido


***********Nota: Os modernos conceitos de metáfora, baseados na obra de Milton Erickson, são adoptados pela PNL.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Tomar consciência do Diálogo Interno


Alguma vez prestou atenção à conversa que vai mantendo consigo próprio ao longo do dia? Não me estou a referir aos lembretes que vão surgindo na sua mente e que servem para o relembrar das actividades e tarefas que é necessário fazer ao longo do dia. Obviamente que também é uma forma de diálogo interno mas gostaria agora que se centrasse nas coisas que está constantemente a dizer a si próprio e que servem de suporte ao seu modo de ser e de estar na vida. Também importante ou até mais importante ainda é o tom que costuma utilizar nesse diálogo interno.


Quando comete um erro, repreende-se de forma agressiva? Humilha-se ou chama-se a si próprio nomes depreciativos? Cada vez que se esforça para fazer mudanças positivas na sua vida, por acaso costuma lamentar-se e pensar que é uma pessoa inútil e insignificante? Se sim, muito provavelmente considerará para si próprio que nunca faz nem nunca fará nada como deve de ser ou então que nunca "chegará aos calcanhares" das pessoas bem sucedidas socialmente. Obviamente que dessa forma o resultado será a continuação da estagnação na sua vida.


Um diálogo interno negativo pode provocar enormes estragos na sua auto-estima, especialmente se for repetido ao longo do tempo. Quando de uma forma sistemática vai dizendo coisas negativas para si próprio, é inevitável que acabe por acreditar nelas.
Com frequência, a maior parte dessas afirmações surge na infância. São proferidas pelos adultos, quer sejam os progenitores, familiares ou professores. Algo negativo poderá ter sido pronunciado acerca de si e depois repetido de forma continuada. Provavelmente sentiam desagrado por alguma acção ou hábito seus e procuravam demovê-lo através dessas afirmações depreciativas. Ou eventualmente poderiam tratá-lo rudemente mesmo quando nada fazia para merecer esse tratamento, simplesmente por fazer parte do contexto social ou cultural em que estavam inseridos.


Por mais dolorosa que essa experiência possa ter sido no passado, o pior é quando agora é você próprio a criar essas palavras negativas e a aplicá-las a si próprio repetidamente. Porém, nada está irremediavelmente perdido pois pode mudar o seu diálogo interno a qualquer altura, desde que se disponha a isso. Tudo o que necessita é de aprender a estar atento às palavras e ao tom que costuma utilizar internamente e, de uma forma consciente, substitui-las por outras mais amigáveis e encorajadoras.

Sugestão de trabalho - Passos para um diálogo interno positivo:

  1. Tome atenção à sua conversa interior
    Pode necessitar de alguma prática mas, ao prestar atenção de uma forma continuada, começará a dar-se conta das vezes em que fala consigo próprio de modo depreciativo.
  2. Ponha fim às mensagens negativas
    Quando reparar que está a pensar algo negativo, como por exemplo “Fazes sempre tudo errado, és mesmo um inútil”, pare de imediato e pergunte a si próprio se isso é verdade. Talvez por vezes cometa erros, mas está sempre a cometer erros? Pense em todas as coisas úteis que consegue fazer ou já realizou no passado.
  3. Substitua as mensagens negativas por outras positivas
    Assim que se aperceba que está a dizer coisas desagradáveis para si próprio, simplesmente esforce-se para pensar de outra forma. Poderá por exemplo dizer “Isso não é de todo verdade! Faço muitas coisas bem. Por vezes cometo erros mas toda a gente comete erros. Sou uma boa pessoa e esforço-me sempre por dar o meu melhor”.

Com o tempo, os seus esforços serão recompensados e ganhará uma forte auto-estima e respeito por si próprio e pelas suas capacidades. Provavelmente isso não acontecerá da noite para o dia, mas quanto mais trabalhar na mudança do seu diálogo interior melhor se sentirá consigo próprio. Estará com toda a certeza a preparar o solo para o crescimento de bons frutos.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O Meu Amigo


«...Meu amigo, eu não sou o que pareço. A aparência é apenas a túnica que trago vestida, uma vestimenta tecida com mil cuidados por mãos femininas e que me protege dos teus interrogatórios, protegendo-te a ti da minha negligência.

O “Ego” que me habita, meu amigo, reside na casa do silêncio, e aí permanecerá para sempre, inobservado e inacessível.

Não quero que acredites no que te digo nem que confies no que faço, pois as minhas palavras não passam dos teus próprios pensamentos convertidos em som e as minhas acções mais não são do que as tuas esperanças convertidas em acção.

Quando me dizes: «O vento sopra de este», eu respondo-te: «Sim, o vento sopra de este»; porque não quero que te apercebas que a minha mente não se preocupa com o vento mas sim com o mar.Tu não conseguirás entender os meus mais secretos pensamentos, nem eu quero que os entendas. Quero estar sozinho com o mar.

Quando para ti é de dia, meu amigo, para mim é de noite; no entanto, mesmo nessa situação, falo do meio-dia que dança nos montes e das sombras púrpuras que percorrem os caminhos e os vales; pois tu não consegues ouvir as músicas da minha escuridão, nem ver o movimento das minhas asas em luta contra as estrelas; coisas que, de bom grado, eu próprio não te deixo ver ou ouvir. Quero estar sozinho com a noite.

Quando tu ascenderes ao teu Céu, eu descerei ao meu Inferno. Mesmo então, tu lançar-me-às um apelo através do golfo sem ponte: «Meu companheiro, meu camarada»; pois não quero que vejas o meu Inferno. A chama queimar-te-ia a vista e o fumo encher-te-ia as narinas. E eu amo demasiado o meu Inferno para te deixar visitá-lo. Quero estar sozinho no Inferno.

Tu amas a Verdade e a Beleza e a Rectidão; e eu, para teu bem, digo-te que é bom e correcto que ames essas coisas. Mas, no meu coração, rio-me do teu amor. Contudo, não quero que pressintas esse meu riso. Quero rir-me sozinho.

Meu amigo, tu és bom e cauteloso e sábio; não, tu és perfeito; por isso, falo contigo sábia e cautelosamente. E, no entanto, eu sou louco. Mas eu mascaro a minha loucura. Quero ser louco sozinho.

Meu amigo, tu não és meu amigo, mas como poderás tu compreender isso? O meu caminho não é o teu caminho e, contudo, de mãos dadas caminhamos juntos...»

Gibran, Kahlil. In O Louco

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

O Lado Positivo do Erro


Possivelmente, para si os erros são sinónimo de sofrimento, de humilhação, de ruína e depressão. Pois bem, uma vez que para tudo existe um lado positivo e o erro não fugirá certamente à regra, venho convidá-lo a analisar o assunto sob uma perspectiva diferente.


A verdade é que através do erro, pode-se aprender a ser bem sucedido. Como poderia reconhecer o doce sabor do triunfo se não conhecesse o sabor da derrota? Como saberia traçar o caminho exacto para atingir aquilo que pretende, se não arriscasse trilhos que podem não funcionar? Quando se caminha por conta própria e sem guias, como a maior parte das vezes temos de fazer ao longo da vida, há que ser arrojado e não temer os perigos. Há que seguir o exemplo dos ancestrais navegadores que descobriram novos portos graças ao seu espírito empreendedor. Quantos erros cometeram eles antes de alcançar o que procuravam? E quantos novos portos descobriram simplesmente porque se enganaram na rota? Pense nisso.


Perca o medo de arriscar e falhar. Quem não arrisca não petisca, já lá diz o ditado. Quanto mais depressa falhar mais depressa saberá que determinado procedimento não funciona. E, consequentemente, mais depressa procurará soluções que de facto funcionam mesmo. Obviamente que na prática as coisas não são tão lineares mas penso que percebeu a ideia. O que interessa é tomar consciência dos erros, aprender com esses erros e depois muito simplesmente andar em frente e partir para outras soluções. Existem muitas outras oportunidades a testar e a agarrar, alguma delas vai ter de funcionar, certo?


Muitas pessoas pensam que somente existe o sucesso ou o “falhanço”. Na verdade, a única coisa que existe é o sucesso. Ao falhar, estamos a dirigir-nos inevitavelmente para o sucesso, desde que não desistamos de lutar. Falhar, desde que encarado como um processo de aprendizagem, confere força de carácter. E este atributo, por sua vez, é essencial ao sucesso. Através do erro, aprende-se como ser bem sucedido.
Nada é garantido, nada é obtido sem riscos. Se no seu interior sentir medo de arriscar, há que enfrentar e vencer esse medo. Deixar-se ficar sossegado no sítio em que se encontra actualmente não é melhor solução; pode parecer cómodo no imediato mas a médio e longo prazo não vai além da estagnação e da apatia.


Considere os riscos das suas acções e o pior que lhe pode acontecer caso falhe. Mesmo em situações limite existe sempre uma luz ao fundo do túnel. Nunca conheceu ninguém que tenha perdido tudo: posses materiais, casamento, casa e segurança? Veja o lado positivo da questão. Essa pessoa viu-se em circunstâncias em que não tinha nada a perder e tudo a ganhar. Pode começar tudo de novo, procurando um solo mais firme e construindo alicerces mais sólidos. Essa pessoa aprendeu, ganhou experiência de vida e sabe bem o que quer e, sobretudo, aquilo que não quer.


Falhar não significa que foi idiota ou ingénuo; significa que teve a coragem de explorar e experimentar coisas que podiam resultar em sucesso. Não significa que não saiba tomar decisões; simplesmente significa que aprendeu que é necessário tomar outras decisões diferentes. Falhar não significa que é um falhado; significa somente que ainda não foi bem sucedido. Não significa que seja inferior mas que simplesmente não é perfeito. Não significa que deva desistir mas que é necessário que se esforce mais profundamente.


Frequentemente, as horas mais negras e difíceis oferecem-nos as maiores oportunidades de crescimento e expansão. Os piores momentos escondem lições de aprendizagem que muitas vezes não compreendemos dessa forma; será preciso a passagem do tempo e a humildade suficiente para descodificar esses ensinamentos.



Ganho e perda são apenas os lados opostos da mesma moeda. Se é verdade que através da perda se ganha sempre alguma coisa, o oposto também é verdade, ou seja, através do ganho perde-se sempre alguma coisa. A nossa cultura é que impele a lutar ferozmente contra as perdas e a procurar incessantemente o sucesso. E é frequente procurar-se o sucesso cegamente, a qualquer custo, não respeitando nada nem ninguém. Essa luta contra a perda e busca incessante pelos ganhos é a principal causa de sofrimento, retardando paradoxalmente o verdadeiro sucesso. Só através tanto da perda como do ganho, aceitando ambos como oferendas, poderemos caminhar para o sucesso. No final, a perda nunca é perda na medida em que nos permite sempre ganhar qualquer coisa.


Errar não é sinónimo de “falhanço”, a não ser que aceite que de facto assim é. Somente se aceitar o erro como derrota, estará de facto a falhar. Se aceitar o erro como uma bênção que conduzirá ao sucesso, nunca irá falhar. A vida constitui-se de todas as experiências assimiladas, as boas e as más. Aprenda a usar os desafios como alavanca para se tornar numa melhor pessoa. A vida não se esgota num ou em alguns combates, sendo antes a soma de todas as derrotas e triunfos. A atitude de todos os que alcançam o sucesso faz a diferença. Ao errar, desde que tome consciência dos erros que comete e faça tudo ao seu alcance para os corrigir, estará de facto em movimento, estará a crescer e na rota do sucesso.

domingo, 29 de novembro de 2009

The Butterfly Circus



Vale a pena ver esta curta-metragem. Trata-se de uma história comovente e inspiradora, com uma forte mensagem de esperança e motivação, vencedora do concurso anual 2009 organizado pelo “The Doorpost Film Project”.
Há sempre a hipótese de mudarmos de perspectiva perante a vida e com isso mudarmos definitivamente toda a nossa existência.


1ª Parte
http://www.youtube.com/watch?v=PzMLsK-jVMo&feature=related

2ª Parte
http://www.youtube.com/watch?v=ZIDj-Oo4FlU&feature=related

Por poucos recursos que tenhamos e por mais limitados que estejamos, temos sempre algo para oferecer aos outros.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Ponha-se em acção!


Se alguma vez passou por um período prolongado de inércia, provavelmente se recordará do sentimento de futilidade e vazio que tomou então conta de si. Decerto desejava profundamente uma mudança mas, ao mesmo tempo, sentia-se impotente para fazer alguma coisa. Por mais planos que fizesse para tentar melhorar a sua vida nunca conseguia entrar em acção pois sentia receio de iniciar qualquer empreendimento.


Por vezes, o simples facto de pensar em tomar medidas pode parecer assustador mas saiba que, desde que ultrapassada, essa situação pode conferir-lhe poder. Se aprender a fazê-lo eficazmente, essa tomada de acção pode conduzi-lo para circunstâncias enriquecedoras e uma vida preenchida. Assim que iniciar o processo, vai aperceber-se que nunca existiu razão para medos e deixará de ficar preso na inércia.

Em primeiro lugar, tente compreender que a sua vida está da forma que está por causa da sua hesitação em tomar acção. É necessário que tome consciência desse facto porque só dessa forma se aperceberá de como é importante tomar um novo rumo. Por vezes, uma mudança de direcção pode ser dolorosa e provocar ansiedade e angústia mas acredite que se vai sentir bem melhor quando se dispuser a fazer qualquer coisa.
Pense em como a sua vida é actualmente e pergunte-se que situação gostaria de mudar primeiro. Poderá ser a sua carreira, os seus relacionamentos, a saúde, as finanças, o lazer ou qualquer outra área em que se sinta estagnado. Pense numa medida simples que possa desencadear todas as outras acções necessárias e o inspire a realizar uma mudança positiva. O primeiro passo é o mais importante pois, por mais pequeno que possa parecer, vai impulsionar todos os outros passos necessários à transformação.

Assim que se decida a tomar uma medida de acção em concreto, é necesário que se incentive a si próprio para não parar, aconteça o que acontecer. Acredite que a maioria das coisas de que temos receio simplesmente acaba por nunca acontecer. E pode até ser que nem sequer exista uma razão clara para se sentir assustado. Pode estar simplesmente com medo do desconhecido, o que é perfeitamente normal. Estimule-se a si próprio para que avance todos os dias um pouco, mesmo que lhe pareça um avanço insignificante. Ao longo do tempo, os pequenos passos transformam-se numa longa caminhada que poderá alterar de uma forma significativa o rumo da sua vida.
Assegure-se de que se liberta de qualquer tipo de expectativas acerca do que irá acontecer. Permita sentir-se bem consigo próprio simplesmente por ter feito alguma coisa para mudar a sua vida. E depois vá em frente. Assim que tiver tomado o primeiro passo, é necessário que continue em movimento para completar os passos seguintes. Tal como um período prolongado de inércia pode conduzir a um ciclo de negatividade e estagnação, a produtividade pode conduzir a um ciclo positivo de crescimento e evolução. Quanto mais acções puser em prática, mais fácil se tornará todo o processo.

sábado, 21 de novembro de 2009

Como Atrair Dinheiro

Ao tomar conhecimento da Lei da Atracção, a maioria das pessoas deseja em primeiro lugar atrair dinheiro para as suas vidas. Estão fartas de lutar e nunca ter o suficiente e anseiam por segurança financeira. Infelizmente, atrair dinheiro é um dos objectivos mais difíceis de concretizar, pelo facto do dinheiro carregar em si um forte peso emocional. Está muita coisa em jogo no sucesso em atrair dinheiro, nomeadamente a nossa paz de espírito, a nossa segurança, a nossa liberdade, entre outras coisas que contribuem para a chamada felicidade.
Colocar demasiada ênfase nos resultados da obtenção de dinheiro apenas cria mais bloqueios. Quanto mais pensar que necessita “desesperadamente” de recursos financeiros, quanto mais acreditar que não pode ser feliz sem a quantia que deseja obter, mais frustrado se sentirá sempre que verifica que os resultados ansiados não se estão a manifestar. E mais tempo demorará até que consiga de facto atrair prosperidade.
Existem porém alguns passos que podem servir-lhe de ajuda para clarificar todo o processo em si:

  1. Anime-se e divirta-se!
    Quanto mais sério e tenso estiver ao tentar fazer com que a lei da atracção funcione, o menos provável será que obtenha bons resultados. Se em vez disso, olhar para a situação como um jogo, divertindo-se em todo o percurso, estará a transferir energia positiva para o processo, o que atrai prosperidade. Faça por se desprender e desinteressar dos resultados. Acabará por atrair mais dinheiro e também mais alegria, paz, prazer e paixão em todas as áreas da sua vida.
  2. Seja e viva aquilo que deseja atrair
    Outro erro que sucede com frequência é a percepção do “presente e futuro”. Acredita que está no momento presente, no meio de carência e em plena luta pela sobrevivência, e tenta então chegar a um ponto no futuro, onde existe fartura e abundância. O que eventualmente acabará por perceber é que não existe “presente e futuro”. A única coisa que existe é o agora, o momento actual. Tudo o que estiver a comunicar ao universo neste momento é aquilo que está a criar na sua realidade física.
    Em vez de se focalizar em tentar atrair mais dinheiro para um determinado momento futuro, torne-se em alguém que já possui todo o dinheiro que precisa AGORA. Pense, sinta e actue como se os seus objectivos já tivessem sido alcançados e assim será. Focalize-se diariamente em sentir-se alegre, em paz e segurança, com prosperidade e com um forte sentimento de gratidão por tudo o que tem. Assim, atrairá circunstâncias de vida que correspondem a esses sentimentos.
  3. Desligue-se de expectativas
    Não se preocupe sobre “como” o dinheiro virá até si. Não se focalize obsessivamente em ganhar o Euromilhões, em receber uma hipotética herança ou qualquer coisa desse género. Deixe o Universo decidir como o dinheiro virá até si. Mantenha-se aberto a todas as oportunidades de ganhar mais dinheiro e agarre essas oportunidades logo que surjam.
    Quanto mais tentar controlar a entrada de abundância, mais bloqueios estará a criar.
    De igual modo, assegure-se que se liberta de todas as expectativas quanto a prazos para que o dinheiro chegue até si. Poderá sentir-se tentado a fixar datas limite para todo o processo mas as coisas não funcionam dessa forma. Tudo tem o seu próprio tempo e sabedoria. Esteja disposto a acreditar e a esperar, dessa forma estará a abrir um portão para uma corrente de bênçãos na sua vida.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

A prática da meditação



Meditação refere-se a um estado em que o corpo e a mente estão conscientemente relaxados e focalizados. Os seus praticantes relatam uma maior sensibilização, focalização e concentração, bem assim como uma perspectiva mais positiva da vida.

A prática da meditação está vulgarmente associada com misticismo e outras disciplinas espirituais, contudo ninguém precisa de ser um monge para usufruir dos seus benefícios. E também não há necessidade de se estar num lugar inusitado - a sua própria sala de estar ou o seu quarto são mais que suficientes.

Se bem que existam diferentes abordagens para a meditação, os principais fundamentos continuam inalterados. O princípio mais importante é a remoção de todos os pensamentos negativos e devaneios, acalmando a mente com um profundo sentido de focalização. Esse procedimento, por si só, limpa a mente e prepara-a para uma qualidade superior de actividade.

Para que a mente se possa focalizar em pensamentos mais profundos e significativos, é necessário que primeiro se expulsem todos os pensamentos negativos que possam contribuir para a poluição da mente, tal como por exemplo o barulho que os vizinhos costumam fazer, relacionamentos eventualmente conflituosos, a multa de trânsito, o spam indesejado ou o vírus que danificou o computador.

Alguns praticantes excluem mesmo todas as entradas sensoriais – audição, visão e tacto – e tentam alhear-se de toda a comoção à sua volta. É possível então a focalização em pensamentos profundos e vastos. Pode parecer assustador ao princípio, uma vez que não estamos habituados a desligar-nos da actividade sensorial mas, dando continuidade a esse exercício, paradoxalmente o resultado é uma maior atenção a tudo o que nos rodeia.

Procure uma posição que o permita relaxar e focalizar-se, em detrimento de posições mais complicadas utilizadas por quem pratica exercícios de yoga há muitos anos. Será preferível estar sentado, uma vez que a posição de deitado tem o senão de induzir ao adormecimento. Procure que as suas costas se mantenham direitas mas não rígidas ou tensas.

Utilize roupas largas, confortáveis e claras. Poderá mesmo adquirir uma túnica específica que utiliza somente para a prática da meditação, acompanhada ou não de adereços específicos para a ocasião.

Escolha o local apropriado para a sua prática. Pode ser na sua sala de estar, no quarto ou numa saleta pouco utilizada mas acolhedora. O importante é que se sinta bem e em paz nesse lugar, por isso este deverá estar limpo e arejado. Poderá colocar uma jarra de flores, ou um prato com seixos e água, ou um incensório ou velas aromáticas. Escolha simplesmente aquilo com que se sinta melhor e que melhor funcione como um ritual para a actividade. A maioria das pessoas prefere o silêncio, contudo pode experimentar como se sente com uma música de fundo suave e relaxante. Desligue o telefone e o telemóvel e mantenha-se isolado de barulhos como o accionar de elevadores ou o trepidar de electrodomésticos.

Os monges que observa na televisão a repetir sons monótonos estão na realidade a concentrar-se nos seus mantras, o que para esses praticantes representa um valor místico. Obviamente que não precisa de os imitar se não entende minimamente qual o significado mas é importante que perceba que a focalização em acções repetidas tal como a respiração e a oração ajudam o praticante a entrar num estado elevado de consciência. Sendo que a focalização é importante, poderá experimentar focalizar-se num objecto específico ou até, com os olhos abertos, concentrar-se num determinado ponto à sua escolha.

Os estudos e pesquisas mostraram há muito que a meditação é benéfica para o corpo, para a mente e para o espírito. Por isso, aproveite o interesse crescente que a comunidade dedica aos efeitos da meditação e comece hoje mesmo a sua prática.

sábado, 14 de novembro de 2009

A Pedra no Caminho


Conta-se a lenda de um rei que viveu num país além-mar há muitos anos. Ele era muito sábio e não se poupava a esforços para ensinar bons hábitos ao seu povo. Frequentemente fazia coisas que pareciam estranhas e inúteis; mas tudo que fazia era para ensinar o povo a ser trabalhador e cauteloso.

- Nada de bom pode vir a uma nação - dizia ele - cujo povo reclama e espera que outros resolvam os seus problemas. Deus dá as coisas boas da vida a quem lida com os problemas por conta própria.

Uma noite, enquanto todos dormiam, ele pôs uma enorme pedra na estrada que passava pelo palácio. Depois foi se esconder atrás de uma cerca, e esperou para ver o que acontecia.

Primeiro veio um fazendeiro com uma carroça carregada de sementes que levava para moagem.

- Quem já viu tamanho descuido? - Disse ele contrariado, enquanto desviava a sua parelha e contornava a pedra. - Por que esses preguiçosos não mandam retirar essa pedra da estrada? - E continuou reclamando da inutilidade dos outros, mas sem ao menos tocar, ele próprio, na pedra.

Logo depois, um jovem soldado veio cantando pela estrada. A longa pluma do seu quepe ondulava na brisa, e uma espada reluzente pendia à sua cintura. Ele pensava na maravilhosa coragem que mostraria na guerra.

O soldado não viu a pedra, tropeçou nela e se estatelou no chão poeirento. Ergueu-se, sacudiu a poeira da roupa, pegou na espada e enfureceu-se com os preguiçosos que, insensatamente, haviam largado uma pedra imensa na estrada. Então, ele também se afastou, sem pensar uma única vez que ele próprio poderia retirar a pedra.

Assim correu o dia. Todos que por ali passavam reclamavam e resmungavam por causa da pedra colocada na estrada, mas ninguém lhe tocava.

Finalmente, ao cair da noite, a filha do moleiro por lá passou. Era muito trabalhadora e estava cansada pois desde cedo andava ocupada no moinho, mas disse a si mesma: "Já está quase escurecendo, alguém pode tropeçar nesta pedra à noite e ferir-se gravemente. Vou tirá-la do caminho."

E tentou arrastar dali a pedra. Era muito pesada mas a moça empurrou e empurrou e puxou e inclinou, até que conseguiu retirá-la do lugar. Para sua surpresa, encontrou uma caixa debaixo da pedra. Ergueu a caixa. Era pesada, pois estava cheia de alguma coisa. Havia na tampa os seguintes dizeres: "Esta caixa pertence a quem retirar a pedra." Ela abriu a caixa e descobriu que estava cheia de ouro.

A filha do moleiro foi para casa com o coração feliz. Quando o fazendeiro e o soldado e todos os outros ouviram o que tinha ocorrido, juntaram-se em torno do local onde a pedra estava. Revolveram o pó da estrada com os pés, na esperança de encontrar um pedaço de ouro.

- Meus amigos - disse o rei - , com frequência encontramos obstáculos e fardos no caminho. Podemos reclamar em alto e bom som enquanto nos desviamos deles se assim preferirmos, ou podemos erguê-los e descobrir o que eles significam. A decepção é normalmente o preço da preguiça.

Então o sábio rei montou em seu cavalo e desejando delicadamente boa-noite retirou-se.

O Livro das Virtudes II - O Compasso Moral, de William Bennett

"Todo o obstáculo contém uma oportunidade para melhorarmos a nossa condição".

***********Nota: Os modernos conceitos de metáfora, baseados na obra de Milton Erickson, são adoptados pela PNL.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Em busca de uma vida simples e calma


Com a pressa e agitação dos nossos afazeres diários, acabamos mais tarde ou mais cedo por ansiar por uma forma de vida mais simples e calma. Se a sua vida se traduz numa corrida desenfreada contra o tempo, considere as sugestões abaixo indicadas, pois estas poderão trazer de volta à sua vida sentimentos de tranquilidade e simplicidade.
  1. Simplifique o ambiente à sua volta
    Livre-se de tudo o que já não necessita É espantosa a quantidade de “tralha” que conseguimos acumular nas nossas casas. E isso acontece porque pensamos que poderão um dia contribuir de alguma forma para as nossas vidas. É verdade que podemos retirar satisfação das posses materiais, mas quanto mais acumulamos mais sobrecarregados nos sentimos. Eventualmente viveremos numa constante desordem, mergulhados em pensamentos dispersos e em stress.Comece de imediato a organizar os seus pertences e a desfazer-se de tudo o que já não necessita. Faça doações a organizações de caridade ou a pessoas que lhe são próximas e que beneficiariam dessas coisas. Estará a “matar dois coelhos com uma só cajadada” pois, em primeiro lugar, a sua casa ficará mais leve, fazendo com que se sinta menos limitado em termos de espaço; e, em segundo lugar, irá sentir-se bem consigo próprio por estar a ajudar quem mais precisa.
  2. Modere as suas actividades. Reduza a sua agenda
    É bom que tenha uma vida activa mas não ao ponto de se sentir stressado e com fatiga. Por vezes temos tendência a fazer mais do que o requerido nas nossas obrigações e responsabilidades. Tome algum do seu tempo para pensar nas coisas que realiza ao longo do dia, da semana e do mês. Coloque-se as seguintes questões.
    Precisa mesmo fazer tudo o que faz?
    Não estará ainda a assumir responsabilidades que já não lhe pertencem?
    Considera ser possível estar a consumir muito do seu tempo em actividades que não lhe agradam?
    Elabore uma lista com algumas das obrigações que poderia de imediato eliminar ou delegar. E depois passe à acção e elimine-as ou delegue-as, mesmo que tenha de o fazer gradualmente.
  3. Passe algum do seu tempo em silêncio. Desfrute de uma pausa tranquila
    A maneira mais simples de viver uma vida de simplicidade e tranquilidade é afastar-se com regularidade de todo o barulho da agitação diária. Sentar-se sozinho em silêncio, por poucos minutos que seja, pode reduzir drasticamente os seus níveis de ansiedade e trazer-lhe calma e alegria. Se tem a vantagem de viver perto de um parque ou da natureza, pode até aproveitar a beleza de um cenário natural para aumentar a eficácia da contemplação. Os ruídos do vento agitando as árvores, o chilreio das aves e mesmo os sons suaves de águas a correr em ribeiras, facultarão de imediato e por si só sentimentos de paz e bem-estar.

Quando se procura viver com mais simplicidade, é necessário aprender a desacelerar e a conectar-se mais profundamente com o próprio interior. Quer o faça simplificando o ambiente em seu redor, reduzindo a sua agenda ou desfrutando todos os dias de uma pausa tranquila, o resultado será sempre uma vida mais pacífica e feliz para si e, consequentemente, para todos os que o rodeiam.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Terapia rápida, utilizando a PNL




Muitas pessoas sentem-se perturbadas ou desapontadas com experiências quotidianas registadas como negativas. A partir desse instante, a simples memorização da experiência provoca-lhes desconforto ou sentimentos negativos. Pode ter sido a atitude ou as palavras mais rudes proferidas por um amigo ou familiar mais directo, pode até ter sido a "gafe" deselegante que se cometeu em público e que colocou em causa a própria reputação, pode ter sido a repreensão injustificada do chefe ou até mesmo a visão de uma aranha ou outro insecto que tenha provocado sensações de medo ou pânico.

Não importa muito o que aconteceu, o facto é que a simples recordação do sucedido o faz sentir-se zangado, arreliado, amedrontado ou com qualquer outro sentimento negativo. Richard Bandler, no seu livro “Usando a sua Mente”, propõe uma técnica de PNL que intitula de "terapia super-rápida" e que consta do seguinte:

Pense na cena que o tenha perturbado ou desapontado e olhe atentamente as suas recordações, como se fosse um filme, para verificar se ainda o fazem sentir mal. Em caso positivo, pense nas imagens desde o início da experiência e, assim que começar, coloque um agradável fundo musical de circo. Simplesmente fique a ouvir a música até ao final da cena.Ao voltar a despoletar as suas recordações, poderá verificar que se sentirá melhor. A tragédia foi instantaneamente transformada em comédia. Já sabe, se tem uma lembrança que o faz sentir-se aborrecido e irritado, coloque um fundo musical de circo. Desta forma, quando traz à consciência a recordação, esta virá acompanhada da música e a sensação não será mais a mesma. No final, poderá mesmo dar por si a rir-se às gargalhadas de uma experiência que antes era negativa.

Se o fundo musical de circo não fizer qualquer efeito consigo nessa experiência em concreto, tente um outro género de música ou som que possa ter impacto sobre a lembrança. Experimente, por exemplo, música de ópera, ou a música dos Muppets ou o genérico de algum programa ou série de humor que o faça rir ou que o tenha feito rir no passado. Repita todo o processo como foi referido anteriormente.

Ainda segundo Richard Bandler, existe um outro processo que poderá também utilizar para atingir os mesmos resultados ou para os reforçar e que é o seguinte. Escolha outra lembrança desagradável que o incomode e passe-a, como se fosse um filme, da mesma forma que fez anteriormente. Verifique se a lembrança ainda o incomoda. Em caso positivo, passe de novo as imagens como um filme mas desta vez de trás para a frente, muito rapidamente, como se estivesse a rebobiná-las, em apenas alguns segundos. Volte outra vez ao início da cena e repita a sequência, desta vez da forma normal. Vai verificar que o significado muda completamente.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

O péssimo hábito de querer fazer muitas coisas ao mesmo tempo


Muitas pessoas referem sentir orgulho por desenvolver diversas tarefas ao mesmo tempo. Ou, pelo menos, julgam que estão a desenvolver diversas tarefas ao mesmo tempo. Na realidade, tal “habilidade”, ao ser analisada convenientemente, revela não ser aconselhável por se reflectir em baixos índices de produtividade e altos índices de ansiedade para quem a pratica. Obviamente que não me estou a referir a tarefas rotineiras, tal como conduzir enquanto se escuta música ou lavar a loiça enquanto se assiste a um programa de televisão. Refiro-me a actividades que requerem esforço mental e concentração. Poderei dar como exemplo estar a manter uma conversa com alguém enquanto se faz uma pesquisa na Internet.

Mas a verdade é que não conseguimos fazer duas coisas ao mesmo tempo. Neurologicamente isso é impossível, pelo facto de só possuirmos um cérebro. O que na realidade as pessoas estão a fazer, quando dizem que estão a desenvolver diversas tarefas ao mesmo tempo, é a saltitar rapidamente de tarefa para tarefa, prestando atenção aqui, pesquisando ali, andando de trás para a frente e pouco mais do que isso. Esta prática levada a cabo ao longo do tempo, acaba por causar um péssimo habito que resulta em ansiedade, stress e problemas de concentração. Acresce que os resultados não são satisfatórios em termos de produtividade e qualidade.
Pegando no exemplo dado anteriormente de estar a manter uma conversa com alguém enquanto se faz uma pesquisa na Internet, a verdade é que se acaba por não estar a prestar a devida atenção na conversa que se está a ter nem a conseguir pesquisar na Internet os artigos que são necessários.

Para realizar com sucesso tarefas que requerem esforço mental, necessitamos da devida concentração e focalização, sem interrupções. Seguem-se algumas dicas de como retirar a máxima produtividade e desempenho no dia-a-dia, lucrando simultaneamente em paz de espírito e tranquilidade.
  1. Estabeleça um plano de trabalho com as tarefas que necessita fazer ao longo do dia. Convém que não seja demasiado ambicioso e não caia na tentação de colocar mais tarefas do que aquelas que na realidade vai conseguir realizar numa jornada de trabalho. O tempo não é infinito nem tão pouco você é um super-herói.
  2. Defina as prioridades para esse dia, ordenando e numerando as tarefas.Comece pelas tarefas prioritárias e não resista à tentação de começar por aquelas que gosta mais de fazer.
  3. Ao fazer cada tarefa, concentre-se profundamente nessa tarefa específica, não pensando absolutamente em mais nada a não ser na sua concretização. Quando chegar ao fim dessa tarefa, faça um curto intervalo (poderia nesta pausa incluir a conversa com alguém) e passe então à tarefa seguinte da lista.
    Obviamente que pode acontecer que uma determinada tarefa se componha de várias fases ao longo do tempo, por exemplo hoje fazer um esboço de um artigo, amanhã fazer pesquisas na Internet para enriquecer esse artigo, no dia seguinte fazer a conclusão desse artigo.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Investir em si próprio







Investir em si próprio é a coisa mais importante que algum dia poderá vir a fazer. Muitas pessoas foram ensinadas a colocar as necessidades dos outros à frente das suas próprias necessidades. Vivem para servir e para garantir o bem-estar do outros, negligenciando no entanto o seu próprio ser. Esquecem que somente se cuidarmos de nós próprios com carinho, poderemos pretender oferecer aos outros um serviço carinhoso. Assim, é necessária uma mudança de perspectiva e aprender a cuidar de nós próprios em primeiro lugar. Não é uma questão de egoísmo, é uma questão de simples racionalidade. Lembre-se que antes de empreender uma viagem, temos primeiro que encher o depósito do automóvel com carburante.

Considere o quanto investe em si próprio nas seguintes áreas:
  1. Tempo só para si
    Não fique à espera das "sobras" do seu tempo pois muito provavelmente este não vai sobrar. Vai dar por si a adiar essa intenção infinitamente. Por isso, reserve de antemão nem que seja somente meia hora do dia só para cuidar de si. Poderá relaxar num lugar onde possa estar confortável e praticar meditação ou proceder a uma simples introspecção. Poderá frequentar um ginásio e praticar mais exercício físico, o que se reflectirá no seu estado de saúde. Poderá fazer caminhadas. A escolha é sua. Saberá mais do que ninguém como aplicar da melhor forma esse tempo reservado só para si.
  2. Presentes e recompensas
    Habitue-se a elogiar-se a si próprio sempre que alcança um objectivo ou consegue bons resultados. Sempre que sente que merece, ofereça a si próprio novos estímulos, uma prenda ou algo que dê significado à sua vida.
  3. Diversão
    É importante que se divirta. Faça coisas que gosta, seja ir ao cinema, ao teatro ou a espectáculos, ou seja simplesmente ir jantar fora num restaurante agradável. Se gosta de dançar, óptimo, frequente aulas de dança ou simplesmente pratique sempre que oportuno. A dança pode ser uma verdadeira terapia.
  4. Rodear-se da família e de pessoas que o fazem sentir-se bem
    Reserve dias para fazer programas diferentes. Fuja da rotina do dia-a-dia e dos serões passados em frente à televisão. Interaja e comunique. Escolha para amigos aqueles que o fazem rir e sentir-se bem e fuja das companhias pessimistas e derrotistas que o fazem sentir em baixo.
  5. Aumente os seus conhecimentos
    Aprender não ocupa lugar. Esforce-se por aumentar os seus conhecimentos através de cursos de formação, através de livros ou quaisquer outros meios didácticos. Contrate um técnico especializado para iniciar um processo de auto-transformação e desenvolvimento pessoal.
  6. Respeite-se a si próprio
    Aprecie a sua unicidade. Respeite as suas próprias necessidades. Não existe ninguém igual a si próprio.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Aumentar a Auto-Estima com Afirmações


Uma baixa Auto-estima deve-se usualmente à assimilação de mensagens negativas por parte do subconsciente. Assim, faz sentido que ao alimentar a sua mente com mensagens positivas consiga provocar uma mudança extraordinária em si próprio.


O problema coloca-se em saber que Afirmações utilizar para obter óptimos resultados. Com vista ao desenvolvimento da sua Auto-Estima, poderá encontrar algumas dicas que o ajudarão a escrever Afirmações eficazes.

  1. Tempo PresenteÉ aconselhável escolher as palavras no tempo presente e não no futuro. Não deverá dizer “Eu aprenderei a amar-me a mim próprio” porque assim dá a sensação que somente alcançará o que pretende “algum dia” que nunca se sabe quando será. Em vez disso, poderá dizer “Eu escolho amar-me a mim próprio”. A redacção dessa Afirmação estabelece duas coisas: a inclusão da palavra “escolho” confere-lhe autoridade e, ao colocar a frase no tempo presente, está a transmitir a ideia de já estar a acontecer aquilo que pretende.
  2. Ser credívelAo mesmo tempo, as Afirmações deverão ser credíveis para si. Se repetir, por exemplo “Sou uma pessoa maravilhosa com muito para oferecer ao mundo” e, no fundo, não acreditar naquilo que está a dizer, o seu subconsciente poderá simplesmente rejeitar essa Afirmação. Dizer algo como “Estou a aprender a aceitar a minha unicidade e a compartilhá-la com os outros” poderá fazer toda a diferença no que toca ao seu próprio sentimento de veracidade em relação à Afirmação.
  3. Escolher o tom apropriado
    Quando utiliza Afirmações, poderá fazê-lo em voz alta ou somente mentalmente mas, em qualquer dos casos, deverá concentrar-se no tom que utiliza. Em vez de dizer as palavras como se estivesse a ler o jornal, sem qualquer emoção, introduza uma componente de emoção, ou seja esforce-se por sentir de facto aquilo que diz. O seu subconsciente assimila melhor o lado emocional daquilo que está a dizer do que propriamente as palavras que está a utilizar. Imagine a diferença entre dizer “Realmente aprovo-me e gosto de mim!” com um tom de amor e ternura ou com um tom de sarcasmo e menosprezo. Qual dos tons lhe parece que terá um maior impacto na sua mente subconsciente, com vista aos resultados pretendidos?
  4. Repetir, repetir, repetirUma vez que tenha criado algumas Afirmações para trabalhar a sua Auto-estima, tente repeti-las várias vezes ao dia. Lembre-se que o seu subconsciente está constantemente a reproduzir antigas mensagens negativas, as quais evidentemente pretende contrariar. Continue a recitar Afirmações positivas de forma consistente, especialmente quando tomar consciência que está a ter pensamentos negativos acerca de si próprio.
  5. Dar tempo ao tempo
    Tudo leva o seu tempo e transformar pensamentos negativos em positivos não é um processo simples que se manifeste de um dia para o outro. Poderá demorar algumas semanas e mesmo até meses até que se percebam diferenças. Poderá até dar consigo a pensar que as Afirmações não estão a funcionar consigo. Caso isso aconteça, não desista e continue em frente. Muito provavelmente ocorrerá uma mudança gradual. Aos poucos e poucos começará a perceber que está com uma atitude bem mais positiva e irá dar-se conta de mais contentamento e alegria no seu dia-a-dia. Esse é o sinal que realmente as coisas estão a funcionar.
Artigo publicado em http://www.webartigos.com/

sábado, 24 de outubro de 2009

Crescimento Espiritual


Crescer espiritualmente num mundo dominado pelo poder, pela influência e pelo dinheiro, não é uma tarefa fácil. Tudo à nossa volta nos impele à satisfação urgente de necessidades e imposições físicas. A publicidade está em toda a parte e domina-nos os sentidos: Televisão, Rádio, Internet, Revistas e Jornais, Painéis publicitários que são colocados estrategicamente em todos os cantos dos espaços comunitários e mesmo nos exteriores e interiores dos transportes públicos.

Com tanto apelo constante, coisas absolutamente supérfluas adquirem um tom de necessidade. Conseguir balancear os aspectos materiais e espirituais da nossa vida, torna-se dessa forma uma cruzada que nem todos conseguem vencer.

Crescer espiritualmente é, acima de tudo, um processo de introspecção. É necessário olhar de perto e reflectir acerca dos pensamentos, sentimentos e emoções, crenças, convicções e motivações. É necessário examinar periodicamente as nossas experiências, as decisões que fazemos, os relacionamentos que temos ou não temos, as coisas com que nos comprometemos para atingir os nossos objectivos, os bons hábitos que precisamos manter e os maus hábitos que precisamos erradicar. Além disso, compete-nos estar atentos a pistas de como agir ou reagir em situações diversificadas. Como qualquer outra competência, a introspecção pode ser aprendida mas é necessário possuir coragem e determinação para procurar as verdades que se escondem no seu próprio interior. É requerido que se seja objectivo, que se saiba perdoar pelos próprios erros e omissões e que haja focalização nas áreas em que é preciso melhorar.

Crescer espiritualmente passa por desenvolver os seus potenciais. As necessidades do corpo são reconhecidas mas colocadas abaixo das necessidades do espírito. Crenças, ética, valores morais e boas acções fornecem a resenha que assegura o crescimento da espiritualidade.

Crescer espiritualmente é procurar por um sentido, um sentido da vida e da existência em si. As interrogações fazem parte do processo. À medida que vamos descobrindo respostas, existem certos valores e crenças que rejeitamos ou afirmamos. Aceitamos que a nossa vida tem um propósito. E esse propósito desvenda-nos todo o nosso potencial como seres humanos. A partir desse momento, temos algo valioso pelo qual lutar, um objectivo para atingir, um destino para alcançar. Deixámos de andar à deriva e podemos focalizar-nos em algo palpável e bem definido.

Crescer espiritualmente é também aperceber-nos como seres conectados com toda a criação, viva ou inanimada. Torna-se natural o amar e respeitar as pessoas, animais, plantas e tudo o que faz parte integrante da natureza. É desenvolvido o sentimento de compaixão para com os outros.

Muita coisa ficará inevitalvemente por dizer no que respeita ao crescimento espiritual, tratando-se do tema complexo que é. Gostaria só de referir, a jeitos de conclusão, que a espiritualidade surge por si, na altura devida, como as folhas das árvores se formam, se desenvolvem, crescem e acabam caindo no chão quando o seu ciclo termina. Compete a cada um de nós lutar quotidianamente pelo aprimoramento das nossas qualidades e pela erradicação dos nossos defeitos. Crescer espiritualmente é também amadurecer como ser humano, aprender com as nossas lições de vida e com as nossas experiências mais dolorosas.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

O Arroz e as Flores


Um sujeito estava colocando flores no túmulo de um parente, quando vê um chinês colocando um prato de arroz na lápide do lado.

Ele vira-se para o chinês e pergunta:
- Desculpe, mas o senhor acredita mesmo que o defunto virá comer o arroz?

E o chinês responde:
- Sim, quando o seu defunto vier cheirar as flores.


Respeitar as opções do outro, em qualquer aspecto, é uma das maiores virtudes que um ser humano pode ter. As pessoas são diferentes, agem e pensam de formas diferentes. Portanto, nunca julgue. Tente apenas compreender.
(Autor desconhecido)


***********
Nota: Os modernos conceitos de metáfora, baseados na obra de Milton Erickson, são adoptados pela PNL.

domingo, 18 de outubro de 2009

Alleluliah - Música para relaxar






Como hoje é Domingo, convido a relaxar ao som da faixa Alleluliah,
do Album Sanctum Sanctuorum, de Constance Demby.



http://www.youtube.com/watch?v=6yVLbXK5JaQ



Com imagens panoramicas e pausadas de flores, para que a visão possa acompanhar e até ampliar a sensação de paz e serenidade transmitida através da audição.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Desenvolver uma Atitude Positiva


Não raro somos forçados a conviver com pessoas que passam a vida a queixar-se por tudo e por nada que lhes acontece na vida. É como se uma nuvem cinzenta pairasse permanentemente sobre as suas cabeças. Não só essas pessoas não são uma companhia agradável, dada a negatividade que emitem, como se torna desgastante estar na sua presença.

De facto, saiba que uma atitude negativa não só o fará miserável a si próprio como a toda a gente à sua volta. Por outro lado, uma atitude positiva transforma-o numa pessoa com quem toda a gente deseja estar, uma pessoa que ama a vida e vivencia constantemente coisas grandiosas.

Se prefere pertencer ao segundo grupo de pessoas, então leia a seguir alguns procedimentos fáceis para desenvolver uma atitude positiva.
  1. Faça aquilo que gosta
    Isso aplica-se não só às actividades que desenvolve nos seus tempos livres, como também à sua actividade profissional que, afinal de contas, lhe ocupa a maior parte do seu tempo. Gosta da sua profissão? As tarefas que realiza no seu emprego transmitem-lhe sentimentos de propósito e realização? Se a resposta for negativa, considere explorar outras opções de carreira, de modo a mudar-se para um trabalho que seja do seu agrado. Quando desenvolve regularmente actividades que o fazem feliz, não pode evitar sentir-se bem consigo próprio e com a vida, o que se traduz numa atitude positiva.
  2. Espere sempre o melhor
    É fácil adquirir o hábito de ver trevas e maldição em tudo o que o rodeia mas, ao fazê-lo, está a focalizar-se na negatividade. Em vez disso, tome conscientemente a decisão de esperar sempre o melhor em todas as situações, mesmo que o seu primeiro impulso tenha sido o pensamento negativo. Afirme para si próprio com frequência: “Isto vai funcionar na perfeição! Coisas maravilhosas vão acontecer hoje!”. Quanto mais repetir estas afirmações, mais provável será que comece a acreditar nelas. Consequentemente, bons resultados começarão a fazer parte da sua experiência.
  3. Ponha a sua moral para cima
    Pense e fale consigo próprio de modo positivo. Muitas pessoas têm o hábito de se menosprezar, o que se traduz em sentimentos de frustração e pessimismo. Adquira o costume de se elevar a si próprio através de um diálogo interno positivo. Afirme as suas boas qualidades e não dê importância às suas qualidades negativas. Afirme que está a trabalhar para o seu próprio progresso, que não é perfeito mas, apesar disso, é uma pessoa importante e digna.
  4. Ponha a moral dos outros para cima
    Sempre que possa, faça um esforço para encorajar, apoiar e cumprimentar as pessoas que encontra. Isso é válido tanto para pessoas que conhece bem como para desconhecidos com quem se cruza ocasionalmente. Quanto mais se focalizar em incentivar a positividade nos outros, mais positivo se tornará, bem assim como melhor se sentirá consigo próprio.
  5. Pense sobretudo nos seus pontos fortes
    Quanto mais se preocupar com as suas fraquezas e “fracassos”, mais pessimista se irá sentir. Em vez disso, afirme consistentemente os seus pontos fortes, talentos e capacidades. Acabará por se sentir fortalecido e em controlo das circunstâncias, o que por seu turno fará com que a sua atitude melhore.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Deus


Em tempos antigos, quando a primeira sílaba me saiu dos lábios, ascendi à montanha sagrada e falei com Deus:

«Senhor, sou teu escravo. A tua vontade oculta é a minha lei e obedecer-te-ei para sempre.»

Mas Deus não respondeu e, assim como uma poderosa tempestade, afastou-se.

Mil anos passados, ascendi à montanha sagrada e novamente falei com Deus:

«Criador, eu sou a tua criação. Do barro me fizeste e a ti devo tudo o que sou.»

E Deus não respondeu; como se fosse um vento de mil asas afastou-se.

Mil anos passados, subi mais uma vez à montanha sagrada e novamente falei com Deus:

«Meu Deus, meu objectivo e minha satisfação; eu sou o teu ontem e tu és o meu amanhã. Sou a tua raiz na terra e tu a minha flor no céu e juntos crescemos perante a face do sol.»

Foi então que Deus se inclinou sobre mim, sussurrando palavras de delicadeza aos meus ouvidos. E tal como o mar envolve o regato que a ele aflui, assim Deus me envolveu.

E quando desci aos vales e às planícies, também ele estava comigo.

Kahlil Gibran, in “o Louco”

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Princípios para uma Transformação Interior



Se está realmente determinado a colocar em andamento um processo de transformação interior, é necessário que adquira conhecimentos e as ferramentas adequadas. Gostaria de partilhar consigo alguns princípios de alinhamento para ser bem sucedido nessa maravilhosa exploração que vai agora iniciar.
  1. Encontre a sua paixão
    Isto significa entrar em contacto com as suas aspirações mais profundas. A maioria das vezes, esta não é uma tarefa fácil pois implica entrar em contacto com informações que se encontram abafadas no nosso inconsciente.
    Ao longo do tempo fomos construindo máscaras sucessivas, a maioria das quais impostas pelo contexto social em que estamos inseridos e acabámos por nos esquecer daquilo que de facto é mais importante para a nossa realização como seres humanos.
    Agora, é-lhe imposto que entre em contacto com essas aspirações. A forma mais simples de o fazer é através da meditação. Se não está habituado a meditar, reserve todos os dias pelo menos 20 minutos para a sua prática. Se tiver dificuldades em estar simplesmente sentado e em silêncio, poderá começar por reservar esse tempo para uma caminhada ou para uma actividade mecânica que requeira estar sozinho. A voz interior faz-se ouvir nessas alturas e precisa entrar em conexão com essa voz.
  2. Crie um lembrete que o relembre diariamente dos seus sonhos e aspirações
    Lembre-se do provérbio, “Longe da vista, longe do coração”. Neste caso em concreto, poderíamos reformular para “longe da vista, longe do pensamento”.
    A melhor forma de evitar o esquecimento é colocar por perto avisos que o orientem para a realização dos seus ideais. Como sabe, a mente é o seu mais poderoso aliado em todo o processo criativo, pelo que poderá tomar diversas acções para se manter focalizado nos seus objectivos.
    Pode fixar um pequeno quadro no seu escritório, onde vai colocando lembretes que o recordam e orientam para as suas metas; pode criar um filme digital ou mesmo fazer uma gravação de si próprio falando das suas aspirações. Estas estratégias ajudarão a que se mantenha constantemente focalizado nos seus sonhos e objectivos.
  3. Comprometa-se a fazer “tudo o que for necessário” para activar os seus sonhos
    Obviamente que tudo o que faça terá de estar alinhado com a sua integridade e os seus valores morais. As questões de ética são primordiais e devem ser sempre respeitadas.
  4. Procure um mentor ou alguém que já esteja a viver os seus próprios sonhos (ou pelo menos parte deles)
    Não se trata apenas de obter mais informação, embora o processo passe por isso mesmo, mas interessa que mergulhe numa vibração de prosperidade e possibilidades. E neste contexto, um mentor funciona literalmente por osmose.
  5. Rodeie-se de pessoas que tenham boas vibrações, atitudes positivas e que acreditem em si e nos seus sonhos
    Se neste momento não conhece ninguém que reuna essas condições, leia autores que gosta e com quem se identifica. Esteja receptivo à chegada de novos amigos e relacionamentos, pois estes vão surgir à medida que for mudando o seu padrão de pensamento. Se não for de uma forma física, eles chegarão através de livros, filmes ou mesmo de uma forma virtual.
  6. Elabore um plano, a curto, médio e longo prazo
    E assim que termine, disponha-se de imediato a agir. Sem acção em concreto nunca sairá do mesmo lugar. De nada serve elaborar planos se depois não os puser em prática. O acto de tomar as acções adequadas é essencial.
  7. Focalize-se naquilo que pretende em concreto e não se fixe obsessivamente na forma como lá chegará
    Na altura devida haverá sempre ajudas inesperadas e formas anteriormente desconhecidas que o conduzirão ao que mais deseja.
  8. Disponha-se a esperar o tempo que for necessário
    Não caia na ilusão de pensar que o caminho se faz a 100 quilómetros à hora e num curto espaço de tempo. A vida é uma corrida de fundo e mais vale dar passadas firmes, consistentes e contínuas do que corridas desenfreadas que conduzem a desistências e fracassos.
  9. Esteja atento a sincronicidades e coincidências
    É interessante reparar que a partir de uma determinada altura, todas as coisas começam a conspirar a seu favor. Nunca ouviu dizer, “Deus ajuda aqueles que se ajudam a si próprios”?
  10. Divirta-se
    É indispensável que retire o máximo prazer e divertimento de tudo aquilo que faz. Dessa forma, a vida ganha outro sabor.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

O Poder da Focalização


Focalização, na prática, significa o prestar atenção e concentrar-se em qualquer coisa, seja o que for. O que focalizamos determina a direcção para a qual nos movemos. Assim, podemos dizer que para sabermos o que queremos, bem assim como para o conseguirmos, é necessário foco.

Quando compreender os mecanismos da mente, poderá treinar-se para usar o seu poder de concentração no sentido de criar e alcançar aquilo que deseja na vida. Focalizar é apenas uma questão de escolha consciente. Significa agarrar uma situação, voltar a mente para determinado rumo e determinar-se a efectuar o trabalho que for necessário, por mais árduo que seja, sem nunca desistir.

Não desperdice um segundo do seu tempo em dúvidas e preocupações. Concentre-se simplesmente nos seus pontos fortes e elimine tudo aquilo que o impeça de avançar. Focalize-se naquilo que deseja e no trabalho necessário para a sua obtenção. Comprometa-se seriamente com o seu objectivo, dedicando todo o tempo possível nas coisas realmente mais importantes para a sua concretização. Além disso, se antecipar as coisas que se tornarão importantes no futuro, evitará o “vício das urgências” e vai obter a verdadeira realização que realmente merece.
O nível de realização que experimentará em sua vida está directamente relacionado na forma como utiliza o seu tempo, ou seja naquilo em que se focaliza ao longo do dia.
Muitas pessoas vivem em permanente stress simplesmente porque são viciadas na emoção da urgência. Por exemplo, o telefone toca e experimenta-se a urgência de ter que o atender, mesmo que aquilo que se esteja a fazer no momento seja muito mais importante ou urgente. Uma vida de realizações é aquela em que se coloca a urgência no seu lugar e se tem consciência que o alvo mais importante é fazer as coisas que são primordiais para nós.

Em conclusão, procure antes de mais descobrir o que realmente mais deseja, qual o seu sonho ou qual a sua missão. Em seguida determine objectivos que o conduzam ao que deseja. Considere obstáculos que possam existir e proceda à sua eliminação. De seguida, arregace as mangas e aplique-se no trabalho necessário, rumo à meta desejada. Sobretudo nunca desista. Por mais vagarosos que sejam os seus passos, desde que esteja correctamente focalizado, chegará ao seu destino.

Artigo publicado em http://www.webartigos.com/ em 18/01/2010


sábado, 3 de outubro de 2009

10 Afirmações sobre Alimentação e Nutrição


Ao longo do dia somos bombardeados com publicidade apelando ao consumo de alimentos tipo "Fast Food", o que torna difícil a escolha de opções saudáveis que forneçam ao corpo a nutrição adequada que este necessita.

Quando todos à nossa volta, incluindo familiares, colegas e amigos, consomem hambúrgueres, batatas fritas e bebidas açucaradas, é muito tentador juntarmo-nos a eles e partilhar da sua ementa. Contudo, o ideal seria conseguirmos imediatamente refrear essa tentação e optar por uma dieta saudável. Da mesma forma, não interessa que diga aos outros que alimentos gordurosos e açucarados não são o tipo de alimentos que o corpo necessita - é preciso que o diga e repita a si próprio e que imediatamente passe à acção, evitando-os.

Se tiver diariamente à sua disposição lembretes e ferramentas eficazes, constatará que se torna mais fácil optar pela alimentação mais adequada às suas necessidades. Neste contexto, a utilização de afirmações positivas poderá ser uma valiosa ajuda, na medida em que permitem o redireccionamento da sua mente para o seu objectivo principal de se tornar saudável.

As afirmações podem de facto ajudá-lo a manter a dieta e a dizer não às tentações mas primeiro terá de acreditar que é possível ter controlo sobre os seus hábitos e desejos. O primeiro passo para fazer uma mudança duradoura na sua vida é empenhar-se para o sucesso. Acredita que pode superar os seus próprios desejos? Depois de fixar um compromisso consigo próprio, estará preparado para aprender as afirmações que o ajudarão a ultrapassar os momentos de fraqueza.
Saiba que se podem obter melhores resultados se as afirmações forem interiorizadas e repetidas em voz alta com frequência. Quer esteja a ter um bom ou um mau dia, precisa repetir mentalmente essas declarações positivas. As tentações surgirão quando menos esperar, por isso é melhor estar preparado. Quando olhar para estas afirmações sobre alimentação e nutrição, pode parecer-lhe que não passam de um ideal que nunca conseguirá colocar em prática. Contudo, cada vez que as repete em voz alta, está lentamente a mudar o seu modo de pensar. Ao longo do tempo, esse ideal se tornará em realidade através dos seus pensamentos e acções.

10 Afirmações sobre Alimentação e Nutrição:
  1. Eu posso neutralizar os meus maus hábitos através de comida saudável, exercício físico e um modo de vida adequado.
  2. Não tenho necessidade de obter conforto através da comida.
  3. Estou a perder peso para agradar a mim próprio.
  4. Eu retiro tempo só para mim.
  5. A minha boa saúde, performance e produtividade são as recompensas por nutrir o meu corpo com alimentos saudáveis.
  6. O ganho de peso ocorre ao longo do tempo, por isso a perda de peso também exige tempo, paciência e mudança nos hábitos de vida.
  7. Eu cuido-me, ao invés de me controlar.
  8. Quanto mais eu cuido de mim mesmo, melhor me sinto.
  9. Estou firmemente empenhado em ficar activo e saudável.
  10. Eu mereço um corpo e uma mente saudáveis.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Fonte de sabedoria


Vivemos mergulhados num mundo materialista que nos levou a negligenciar o que de mais sagrado existe em nós – o nosso lado espiritual.

Embora não possa ser evidenciado através dos cinco sentidos, estamos todos conectados com uma fonte de sabedoria ilimitada. Entrar em contacto com essa fonte que transcende o entendimento das nossas mentes conscientes, significa abrir as portas às mudanças e aos milagres. Esse é o poder ao qual os grandes génios da história souberam aceder, esse é o poder ao qual todos nós podemos também aceder.

O primeiro passo é o de acreditar que existe em si essa fonte de sabedoria com a qual é possível estabelecer comunicação. Depois é necessário focalizar-se no seu próprio crescimento interior para que com o tempo essa comunicação se possa desenvolver. As respostas podem não surgir de imediato, é necessário ter paciência e esperar o tempo que for necessário. Por vezes essa espera é desanimadora, tanto mais que estamos habituados a obter tudo o que queremos no mesmo momento. Não perca a convicção. Concentre-se persistentemente no objectivo de entrar em contacto com a sua essência, reveja esse objectivo diariamente e determine-se a prosseguir esse propósito até o atingir.

Procure aprofundar os seus conhecimentos através de leituras e ensinamentos que ampliem a sua compreensão para além do mundo físico. Acredite que começará a sentir mudanças no seu interior que acabarão por se reflectir exteriormente.

Durante os próximos dias, disponha-se a manter contacto com o seu lado espiritual. Estabeleça um diálogo interior mais ou menos nestes moldes: «Sei que estás sempre presente na minha vida e quero conhecer-te e receber os teus conselhos. Por favor guia a minha vida, orienta os meus passos com a tua sabedoria».
Não se preocupe se no início se der conta que está simplesmente a manter um monólogo. Lembre-se que permaneceu desligado da sua essência durante décadas e que tudo demora o seu tempo. Persista com esse diálogo interior, como se falasse com um amigo. Converse, faça perguntas e partilhe as suas preocupações, aspirações e esperanças. As respostas acabarão por surgir um dia quando menos espera.

domingo, 27 de setembro de 2009

Dhyani Mantra




Convido-o a ouvir um tema de Anael, com imagens ilustrando a beleza do lótus.



http://www.youtube.com/watch?v=UBgvfmONRY8


Do Álbum de Anael, Buddha Spirit, a Faixa Dhyani Mantra

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

O vaso defeituoso



Uma velha senhora chinesa tinha dois grandes vasos, cada um suspenso na extremidade de uma vara que ela carregava nas costas. Um dos vasos era rachado e o outro era perfeito. Este último estava sempre cheio de água ao fim da longa caminhada da torrente até a casa, enquanto aquele rachado chegava meio vazio.

Por longo tempo a coisa foi em frente assim, com a senhora que chegava em casa com somente um vaso e meio de água. Naturalmente o vaso perfeito era muito orgulhoso do próprio resultado e o pobre vaso rachado tinha vergonha do seu defeito, de conseguir fazer só a metade daquilo que deveria fazer.

Depois de dois anos, reflectindo sobre a própria amarga derrota de ser “rachado”, o vaso falou com a senhora durante o caminho:
- Tenho vergonha de mim mesmo, porque esta rachadura que eu tenho me faz perder metade da água durante o caminho até a sua casa...'
A velhinha sorriu:
- Reparáste que lindas flores estão somente do teu lado do caminho? Eu sempre soube do teu defeito e portanto plantei sementes de flores na beira da estrada do teu lado. E todos os dias, enquanto a gente voltava, tu as regavas. Por dois anos pude recolher aquelas belíssimas flores para enfeitar a mesa. Se tu não fosses como és, eu não teria tido aquelas maravilhas na minha casa.


Cada um de nós tem o próprio defeito. Mas o defeito de cada um de nós é que faz com que nossa convivência seja interessante e gratificante. É preciso aceitar cada um pelo que é... E descobrir o que tem de bom nele. Portanto, meu “defeituoso” amigo, tenha um bom dia e lembre de regar as flores do seu lado do caminho.
(Autor desconhecido)

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Amar-se a si próprio

Será difícil sentir amor por si próprio se no seu subconsciente estiverem gravadas mensagens limitadoras. A maioria destas mensagens são registadas durante a infância mas os seus efeitos nocivos podem perdurar até ao final dos seus dias. Na realidade, mesmo sem o saber, continua sob a influência de ditames proferidos pelos seus pais ou familiares há décadas atrás.

Quando alguém lhe disse um dia que não era suficientemente bom, com certeza acreditou. Quando alguém lhe disse que não conseguiria alcançar os seus sonhos, com certeza acreditou. Quando alguém lhe disse que era estúpido ou esquisito, com certeza acreditou. O pior é que muito provavelmente continua a acreditar nisso nos dias de hoje, mesmo que não esteja consciente desse facto.

Não desanime porque é possível ultrapassar essas velhas mensagens e substitui-las por outras que o capacitem a ser bem sucedido e a evoluir. Seguem-se três boas indicações para pôr mãos à obra:

  1. Mantenha um romance consigo próprio. Pense no último relacionamento amoroso que teve. Certamente que no início do relacionamento tanto você como o seu par dedicavam muito tempo, atenção e afecto um ao outro. Sentia-se apaixonado e arrebatado pela beleza ou qualidades da sua cara-metade e provavelmente era correspondido da mesma forma. Uma das melhores maneiras de aprender a amar-se é entrar num processo idêntico, mas desta vez consigo próprio. Trate-se como se fosse especial, um rei ou rainha. Realize tudo o que o faça feliz. Aceite-se e acarinhe-se. Fale docemente consigo próprio. Ofereça-se coisas bonitas. Passe bons momentos consigo, simplesmente porque o merece.
  2. Explore as suas crenças.Poderá suspeitar que tem mensagens limitadoras a povoar-lhe o pensamento mas certifique-se que toma contacto consciente com elas. Para que descubra quais as crenças que o estão a impedir de avançar, poderá necessitar de fazer uma exploração pelo seu próprio interior. Pegue num papel e numa caneta e escreva respostas para as seguintes perguntas:

    “A última vez que me senti estúpido foi……..”.
    “A minha mãe sempre me fez sentir……”.
    “O meu pai sempre me tratou como ……..”.

    A ideia é fazê-lo recordar-se dos tempos recuados da sua vida em que os pensamentos limitadores tiveram início.
    Quando lá chegar, faça por alterar essas crenças. Elas ainda são verdade? E será que alguma vez foram verdade? Decida o que é verdadeiro para si e comece a substituir as velhas crenças, focalizando-se em crenças assertivas.
  3. Dê ênfase às suas boas qualidades. Quando se tem uma baixa auto-estima, existe tendência à focalização em coisas que “estão erradas”, ao invés de tudo o que possa existir a nosso favor.
    Comece a inverter a situação, elogiando-se e encorajando-se na sua conversa interior. Congratule-se quando completa qualquer coisa importante para si. Diga coisas como:

    “Ena, sinto-me orgulhoso por ter conseguido fazer isto! Não foi fácil, mas consegui suplantar-me!”.
    “Sou uma pessoa valiosa. Tenho muito para oferecer ao mundo pois tenho talento e boas qualidades”.

    Quanto mais o repetir, mais acreditará nessas palavras.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

A PNL e as Submodalidades

Em primeiro lugar, convém esclarecer que submodalidades não são mais do que distinções dentro das modalidades (ou sistemas de representação) e servem para lhes dar um significado mais abrangente.

Pegando nos sistemas de representação mais importantes, podemos fazer uma descrição sumária de alguns tipos de submodalidades:

VISUAIS

  • Cor, variando de intensidade do colorido intenso até ao preto e branco
  • Distância, variando de bem perto a bem longe
  • Profundidade, variando a dimensão convencional até uma imagem em três dimensões
  • Duração, variando de uma imagem rápida e passageira para uma imagem persistente
  • Luminosidade, variando de uma claridade cristalina até uma imagem sombria e indistinta
  • Contraste, ajustando a diferença entre claro e escuro
  • Movimento, variando de lento ou parado até muito rápido (considere por exemplo uma fotografia e transforme-a num filme)
  • Proporção, variando de comprido e estreito a curto e largo


AUDITIVAS

  • Volume, variando de alto a baixo
  • Tom, variando de grave a agudo
  • Ritmo, variando de rápido a lento
  • Localização, tomando atenção à direcção e procedência

CINESTÉSICAS

  • Pressão, variando de forte a débil
  • Temperatura, variando de quente a frio
  • Peso, variando de pesado a leve
  • Textura, variando de grossa a fina


Segundo Richard Bandler e a programação neurolinguística, podemos utilizar as várias submodalidades para transformar uma experiência negativa em positiva (ou vice-versa, se bem que tal facto em princípio não tenha muito interesse). A questão está em descobrir como a nossa mente processa a informação, para seguidamente aprender a controlar as experiências.

Geralmente e a título de exemplo, a maior parte das pessoas consegue ter uma lembrança mais agradável se fechar os olhos e visualizar uma cena com imagens em movimento, como se fosse um filme, trazendo-as bem para perto e aumentando a sua luminosidade à medida que se aproximam, fortalecendo o seu colorido. Pelo contrário, a lembrança não será tão agradável ao visualizar-se as imagens paradas, como numa fotografia, em preto e branco, distantes e desfocadas.

Todos nós temos experiências boas e más. O que faz a diferença é a forma como nos lembramos delas e reagimos a essas lembranças. Aprendendo a controlar a mente, poderemos dar um novo colorido à nossa vida e modificar a percepção que fazemos da realidade.

Poderá dizer-me que então estaremos a manipular a nossa realidade. E eu pergunto-lhe se, de qualquer forma, não o estamos sempre a fazer, nem que seja de uma forma inconsciente? Visto desta forma, vale mais manipular conscientemente a nossa realidade para positivo do que inconscientemente para negativo. Não concorda?